• Postado por Tiago

O pintor Anderson Antônio de Souza, 23 anos, foi assassinado sábado à noite com três facadas. O crime rolou na rua Abílio Corrêa de Melo, Jardim Esperança, nos Cordeiros, por volta das 19h30, mas a polícia civil só ficou sabendo da crueldade domingo pela manhã, quando o pai da vítima apareceu para registrar um boletim de ocorrência na 2ª Depê. Os tiras garantem que os meganhas não avisaram do assassinato. Cada cosa!

O laudo do Instituto Médico Legal (IML) peixeiro apontou que as facadas furaram o braço, o peito e a pança do pintor, que ficou estirado no meio da rua, até aparecer o socorro. O povão que encontrou o corpo chamou os bombeiros e a polícia militar, mas quando os homisdalei pitaram por lá não tinha mais nada a fazer. O coitado foi recolhido pelo pessoal do IML e depois foi liberado para os familiares.

O pai do pintor contou à polícia que o filhote já tinha escapado da morte numa primeira tentativa de assassinato, mas desta vez não teve a mesma sorte. O coitado chegou a dizer que o filho era constantemente ameaçado, mas não deu informações que possam ajudar os tiras a identificar quem cometeu a crueldade.

Apesar do crime ter acontecido em uma rua com movimento intenso, o povão que mora por lá resolveu fazer cara de paisagem quando os milicos apareceram. No local impera a lei do silêncio. Até os irmãos de uma igreja da Assembléia de Deus, construída na rua onde rolou o crime, resolveram fazer voto de silêncio quando o assunto é o assassinato.

  •  

Deixe uma Resposta