• Postado por Tiago

A dona de casa Kátia Regina Silva, 40 anos, alega estar penando na saúde pública pra conseguir a cirurgia de seu pai, José Costa, 56 anos, que há mais de um mês sofreu um acidente de moto e quebrou a clavícula. Kátia, o pai e a filha de quatro aninhos moram no bairro Cidade Nova e estão passando o sufoco, já que seu José é quem sustenta a casa. Kátia é doente e não pode trabalhar. “O meu pai precisa da cirurgia logo porque é o único que trabalha aqui em casa. Estamos passando por necessidades. Além disso, o meu pai tá sofrendo muito. Ele berra de dor”, conta a dona de casa.

Kátia diz que esteve nesta semana na Policlínica de Atendimento Central de Itajaí (PAM), que fica na rua Felipe Schmitt, no centro. Funcionário da policlínica teria lhe dito que não existe uma data pra cirurgia do seu pai ser realizada. “Não me deram nem previsão”, reclama.

A casa onde a família vive, na rua Minelvino Gonçalves, bairro Cidade Nova, tá com o aluguel atrasado e a comida é garantida pela ajuda da comunidade. “Com as matérias que saíram no DIARINHO, a gente recebeu bastante ajuda, só que a comida em um mês se acaba. Meu pai precisa voltar a trabalhar urgente”, apela.

Kátia tem artrite reumatóide, uma doença inflamatória crônica que lhe pegou as pernas e as mãos. Por conta do mal, ela tá há 22 anos sem poder trabalhar fora.

Não foi dada entrada

A secretaria de Saúde procurou nos registros da PAM o cadastro de seu José e não encontrou nada. A hipótese levantada foi a de que Kátia só perguntou sobre o tempo de espera da cirurgia e não deu entrada no procedimento.

Tânia Vieira, gerente de regulação da PAM, explicou que pra entrar na fila da cirurgia é preciso ir até a policlínica levando o laudo da necessidade da operação e os exames já feitos, xerox da identidade, comprovante de residência e o cartão nacional do SUS. “Nós temos um médico aqui que faz uma espécie de triagem e verifica a urgência da cirurgia”, disse.

A gerente preferiu não falar em prazos pra realização de uma cirurgia pelo SUS, já que vai depender da gravidade do caso.

  •  

Deixe uma Resposta