• 21 nov 2009
  • Postado por Tiago

Quer saber onde anda uma figuraça da sua cidade?

Pergunte que o DIARINHO vai atrás. Só não vale político.

O professor Amaro

Amaro trampa hoje no viveiro Fazenda Nativa

A vida do professor Amaro Cesar da Silva, 50 anos, sempre foi ligada ao verde. Desde quando dava aulas no colégio Victor Meirelles, no centro de Itajaí, a disciplina de história sempre esteve ligada com a ecologia. Não por acaso, o professor Amaro trampa hoje no viveiro Fazenda Nativa, onde reparte o seu conhecimento com o povão que visita o local.

A trajetória de Amaro começou em 1981, quando deu início à carreira de professor na antiga estrutura do Victor Meirelles. Foram ao todo quatro anos por lá. Entre as muitas histórias, destaque para os puxões de orelha que recebia. ?A diretora às vezes me chamava a atenção porque metade das minhas aulas eram de história e na outra metade eu falava de ecologia?, lembra.

Amaro passou por outros colégios como professor de história. Entre eles o Nilton Kucker, o Elizabeth Konder Reis e até escolas de Balneário Camboriú e Gaspar. A carreira dentro das salas de aula foi encerrada em 1994.

Gigolô de abelhas

Professor Amaro, como ainda é chamado, ganhou popularidade por causa das abelhas. Durante 10 anos, ele comercializava mel, o que lhe rendeu o apelido de gigolô de abelhas. ?Um dia eu estava passando na rua, daí do outro lado uma pessoa gritou: ?E aí, gigolô de abelhas!?. Logo percebi que era comigo. [risos] E o apelido ficou?.

Amaro conta que trazia o mel de São Joaquim, Vidal Ramos e Botuverá. O produto era vendido somente pras pessoas mais próximas. ?Essa história do mel me rendeu até uma citação no livro Louco de Pedra, de Bento Nascimento. Ele me chamou de Amaro mel?, relata.

O professor abelhudo ficou tão famoso que recebeu um convite pra ser candidato a vereador na city peixeira. O desafio foi aceito e em 1988 lá estava ele vestindo a camisa do Partido dos Trabalhadores (PT). Mas, por incrível que pareça, Amaro questionava as promessas de votos que recebia. ?As pessoas me paravam na rua e diziam que iriam votar em mim. Então eu perguntava: Por que você vai votar em mim? Você me conhece? Conhece as minhas propostas??, conta.

Amaro não conseguiu ocupar uma vaga na câmara de vereadores, mas conquistou mais de 120 votos. Uma surpresa. ?Foi mais do que eu esperava, porque foram votos espontâneos?.

E hoje?

Desde 2005, Amaro faz parte do projeto Itajaí Mais Verde. Trampa no viveiro Fazenda Nativa. Lá, o professor atende o povão que vai em busca de informações e de plantas, coleta as sementes e dá aulas pra criançada sobre educação ambiental. Além disso, o abelhudo voltou recentemente a vender mel. ?Foi um pedido dos meus amigos?, revela, concluindo que não se arrepende de nada o que fez em sua vida. ?Valeu a pena?, fez questão de afirmar.

  •  

Deixe uma Resposta