• Postado por Tiago

INTERNA_13_abre-esquerda_vala-prainha-de-são-miguel_foto-caroline-lazaris

Moradores acusam donos de salgas de poluir riachinho da comunidade

Os moradores da prainha de São Miguel vão impedir a entrada de turistas no verão, caso a prefeitura de Penha não resolva o problema da poluição causada pelas salgas de camarão na comunidade. A ameaça foi feita ontem pelo presidente da associação de moradores, Milton José Pereira Tormena, 45 anos, o Formiga. Reginaldo Waltrick, secretário de Planejamento da prefa, diz que o prefeito Evandro dos Navegantes tá em Brasília tentando arrancar grana pra fazer o saneamento de São Miguel. A prefa já recebeu uma prensa do Ministério Público Federal pra resolver o problema até dezembro.

Pelo menos quatro salgas clandestinas fazem o descasque de camarão na prainha. Sem qualquer filtro ou sistema de tratamento, jogam as cascas e a água utilizada na limpeza do pescado no riacho que cruza a comunidade e desemboca na praia. Hoje, o pequeno rio está transformado em vala.

Seu José Cardoso, 58, é um dos que mais sofre com a situação. Ele mora ao lado do esgotão a céu aberto. ?Se tivesse água o suficiente no esgoto, eles até poderiam jogar as cascas ali, porque pro mar isso não faria mal. Mas não tem água e fica tudo apodrecendo aqui?, reclama o aposentado, que convive diariamente com o cheiro de merda que sai do valão.

Vani Lima, 49, brinca com os vizinhos. ?É perfume francês?, ironizando. Márcia de Freitas, 45, tem um filho que mora em frente à vala. O rapaz, diz ela, não consegue mais abrir as janelas de casa por conta do futum que invade a baia. ?Com o calor esse cheiro piora. Até porque apodrece tudo mais rápido?, diz. As vizinhas Ivete de Borba, 69, e Clotilde Amorim, 54, contam que outro dia tentaram caminhar pela praia. Tiveram que sair de lá tapando o nariz.

Quem tem casa de praia em São Miguel também está revoltado. Eliomar Vieira era ontem um dos mais irritados. ?Eu não moro aqui, fico só três dias, e não quero mais voltar?, desabafou, ameaçando: ?Vamos jogar dois caminhões de barro aqui em cima da vala, porque daí, quando tiver problema, aí prefeitura vem?.

A ameaça séria vem da direção da associação de moradores. Formiga, o presidente, diz que está organizando uma forma de protesto que vai chamar a atenção da prefeitura: fechar a prainha na temporada de verão e impedir a entrada de turistas. Só assim, ele acredita que as otoridades vão dar atenção ao problema.

Depois que o DIARINHO denunciou a ação das salgas ilegais, em fevereiro deste ano, o Ministério Público Federal entrou na parada e deu um prazo para que a prefeitura resolva a situação. A data-limite, dada pelo procurador Pedro Paulo Reinaldin, é 17 dezembro.

Formiga desconfia que a prefeitura não cumprirá o prazo. Ele mostra os tubos que há meses foram largados à beira do riacho e acusa que as obras de saneamento nunca começaram.

Falta dinheiro

Reginaldo Waltrick, secretário de Planejamento da Penha, diz que falta grana para tocar a obra. ?Hoje nós temos R$ 600 mil para fazer a tubulação da praia, mas ainda não é o suficiente. Precisamos de uma emenda de R$ 1,5 milhão para fazer as obras no morro inteiro da praia de São Miguel, e ainda teria uma contrapartida da Casan?, afirma ele.

O prefeito Evando dos Navegantes (PSDB) estaria hoje em Brasília de chapéu na mão, tentando tirar grana da fundação Nacional de Saúde (Funasa), informa Waltrick.

O secretário diz que vai dar um toque para o pessoal da vigilância sanitária dar uma olhada nas salguinhas de camarão que estariam poluindo a prainha.

  •  

Uma Resposta to “Povão de São Miguel ameaça fechar prainha”

  1. mignon Diz:

    pode fechar esta merda, todos agradecem

Deixe uma Resposta