• Postado por Tiago

Depois de um leitor flagrar a derrubada de um morro na praia do Poá, na Penha, e da secretaria do Meio Ambiente dizer que desconhecia o fato, ontem a prefa assumiu que liberou a construção de uma baia no local. Os barnabés afirmam que ali só tinha mato e tocos de árvores que já haviam sido cortadas faz tempo. Os moradores da região discordam e afirmam que, além de árvores nativas, no local havia capivaras e passarinhos de tudo quanto é espécie.

“Eu fiquei observando o que eles estavam fazendo. Primeiro, eles só tiraram o mato. Depois, trouxeram o trator e começaram a tirar as árvores, e logo depois começaram a cortar o morro”, fala A. K., 51 anos, que mora perto do desmatamento. Ele disse que se ninguém tomar uma atitude irá registrar um boletim de ocorrência, pra que a detonação seja investigada.

O denunciante ainda afirma que denunciou à fundação do Meio Ambiente (Fatma) via e-mail, mas não teve resposta. “Se você entrar no site da Fatma, vai só encontrar links pra fazer doações de dinheiro. Pra fazer denúncias, que é bom, não tem nada”, lasca.

O gerente da Fatma de Itajaí, Gabriel Santos Souza, foi procurado ontem pela reportagem pra ver se os fiscais pintaram no local pra dar um bizu, mas primeiro ele tava ocupado e depois já tinha simandado.

Prefa se entrega

Enquanto os moradores lamentam a destruição, a prefa distorce o que falou um dia antes. Na terça-feira, o secretário do Meio Ambiente, Reginaldo Waltrick, ficou assustado com a denúncia e disse ao DIARINHO que mandaria fiscais verificar o desmatamento.

Ontem, ele disse que a prefa liberou a licença pra detonação porque no terreno não teria nenhuma árvore, só mato. “No plano diretor tem as diretrizes que permitem isso, pois está em área urbana”, garante o secretário.

No entanto, ele não sabia dizer de quem era o terreno e passou a bola pros engenheiros da secretaria de Planejamento e Urbanismo. Lá, a galera não quis atender o DIARINHO e disse que tava em reunião. Ainda afirmaram que o dia pra atender reclamação do público é terça e quinta-feira. Phode?

Ambientalista contesta

O ambientalista Rodrigo Medeiros, especialista em gestão participativa, diz que as prefeituras precisam obedecer às leis federais, na hora de dar licença de desmatamento. Ele explica que o conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) estipula as áreas de preservação permanente e que o morro da praia do Poá seria um desses locais protegidos por lei.

  •  

Deixe uma Resposta