• Postado por Tiago

INTERNA-8-BASE---g---transporte-coletivo-floripa-foto-rubens-flores-03jul09-(1)

Ontem à tarde rotina do lotação já tava normal na Grande Floripa

Após quase 70 horas, terminou às 3h30 de ontem a greve do sistema de transporte coletivo da Grande Floripa. Motoras e cobradores vibraram com as conquistas trabalhistas e pediram desculpas aos 200 mil usuários que ficaram ao deusdará por três dias seguidos.

Quem acabou pagando a conta foi o povão. Pra resolver o problema duma vez e tirar a responsa das costas, o prefeito de Floripa Dário Berger (PMDB) autorizou o reajuste da tarifa. A partir da zero hora de segunda-feira as passagens ficam mais caras em 10 centavos pros latões da capital. O reajuste deve ser estendido às empresas das outras cidades da região.

Achando pouco liberar o segundo aumento do ano, o prefeito também garantiu dar pros empresários três centavos por passagem pra dar aquela forcinha pra que eles possam continuar tendo lucros e prosperando nos negócios. Essa grana também sai do bolso do povão que pagar seus impostos um dia sim e o outro também.

Como o prefeito parece estar vivendo um Natal fora de época, selou o acordo garantindo aos trabalhadores que a prefa vai bancar 50% do valor retroativo do reajuste dos salários referente aos meses de maio e junho. ?A aceitação da proposta deu-se porque a prefeitura assumiu o compromisso aumetar a tarifa para que haja uma recompensa do faturamento do sistema e aumentou o subsídio?, comemora Valdir Gomes, presidente do sindicato das empresas.

Tem multa!

Antes do acordo ser fechado na madrugada, Dário Berger havia dado um prazo pros empresários se manifestarem ou então, iria intervir nas empresas. Mas nada rolou. A turma resolveu iniciar reuniões e mais reuniões até todo mundo concordar com as condições e assinar a papelada.

Os cerca de 1,2 mil trabalhadores do sistema conquistaram 7% de reajuste salarial e o aumento do valor do vale rango pra R$ 310, ambos retroativos a dois meses. O perrengue sobre participação nos lucros não ficou de lado. Eles vão rachar a bolada com os patrões até novembro. Daí pra frente, vão estudar uma nova maneira de embolsar o faturamento. A turma ganhou ainda a garantia de empregos por quatro meses, uma vez que já havia a indicação de alguns ganhariam as contas após a greve.

Findado os acordos, o sistema começou a funcionar meia hora depois. Porém foi só no final da tarde que todas as linhas e horários tavam sendo rigorosamente sendo cumpridos. Muitos busos tavam com os pneus furados e outros sem bateria por terem ficado tanto tempo parado, o que forçou a turma da manutenção a trabalhar intensamente pra que tudo voltasse ao normal.

Apesar de terem selado um acordo que só prejudica a princípio o cara que depende do latão pra ir e vir, os sindicato dos trabalhadores e das empresas vão ter que queimar um pouco mais de tutano pra tentar silivrar da multa. O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) estipulou multa de R$ 50 mil por dia de greve por não terem atendido a população com frota. Os dois sindicatos vão recorrer.

  •  

Deixe uma Resposta