• Postado por Tiago

GAERAL-CAPA-ABRE-24112009220

Tinha até criação de porcos na invasão

Fiscais da secretaria de Urbanismo (SMU) e da fundação do Meio Ambiente de Itajaí (Famai) passaram o maior aperto na tarde de ontem pra notificar Sidnei de Souza, que além de ter construído uma casa num dos terrenos do distrito industrial de Itajaí, perto da BR 101, ainda tava criando toda sorte de bichos sem nenhuma autorização. O cara engrossou pra cima dos fiscais que chegaram a pedir apoio da Codetran.

Há mais ou menos um ano, Sidnei começou a ser notificado pela SMU por construir uma casa no distrito. ?Ele construiu a casa numa área que é pública, sem nenhuma autorização. A obra foi embargada, mas ele desrespeitou todos os embargos e terminou a construção?, explicou o auditor fiscal da prefa, Manoel Antônio da Silva. Manoel contou que, desde então, já tá rolando um processo na procuradoria do município pra tentar retirá-lo de lá com uma autorização da dona justa.

Além de tá morando belo e formoso num terreno público, o cara extrapolou todos os limites da falta de noção ambiental. De acordo com o diretor de fiscalização da Famai, Jonas José Pereira, o cara tava criando porcos, galinhas e cavalos, jogando o cocô dos bichinhos direto no ribeirão; tava com esgoto a céu aberto; criou um roçado na vegetação nativa e ainda arrancou umas cinco árvores sem autorização, tudo isso numa área de preservação ambiental – que fica numa faixa de 30 metros a partir do ribeirão que corta o terreno. O cidadão também represou a água do ribeirão.

Os fiscais da Famai deram uma notificação pro Sidnei e um prazo de cinco dias pra ele destruir as construções da área de preservação e retirar os animais. Se ele não cumprir as exigências no prazo, a Famai vai abrir um processo administrativo que pode acabar na apreensão dos bichos e multa pro morador.

Quando os fiscais chegaram ao local, o Sidnei começou a engrossar e ameaçou agredir os barnabés, que pediram apoio da Codetran, mas antes da chegada do guardinhas os ânimos já tavam calminhos. ?No final, com muito custo, conseguimos cumprir a vistoria?, comemorou Manoel.

  •  

Deixe uma Resposta