• Postado por Tiago

Sem professor, as crianças agora brincam no campinho cheio de mato

O bairro São Paulo, em Navega, tem aproximadamente seis mil moradores e só um campinho como alternativa de lazer da comunidade. Pra piorar a situação, desde o começo do ano o local tá esquecido pela prefa. Tiraram o professor de futebol que dava aula pra criançada e ninguém mais apareceu para fazer a manutenção da área. ?No final de semana, umas 50 pessoas se aglomeram no campinho pra brincar?, observa o morador Daniel Igor da Silva, 29 anos. Pra cagar divez com a diversão da galera, no fim de semana passado um parque de diversão se instalou no campinho, mas já foi enxotado de lá por pressão da comunidade.

Daniel é frequentador assíduo do pedaço. Conta que no ano passado a criançada aparecia aos montes pra ter aulas de futebol com o professor pago pela prefeitura. Eram cerca de 60 pimpolhos que envés de estarem nas ruas do bairro mais violento da city, brincavam e aprendiam um esporte. Com a mudança de governo, Daniel comenta que a prefa tirou o professor e nunca mais capinou o terreno.

O vereador Marcos Paulo da Silva (PT), o Marquinhos, mora no bairro e também tá cabreiro. Diz que conversou com o chefão da fundação municipal de esportes (FME), Eduardo Mafra, que lhe apresentou um projeto bem bacana pro lugar. Só que tudo é muito bonito no papel, pois a prefeitura não tem previsão para implantar o programa, que prevê o uso do campinho para a prática de esportes e educação comunitária.

Faltam verbas

Ochefão da FME admite que o campinho tá jogado às traças. ?Eu estive no local e tá feio mesmo?, afirmou, prometendo: ?Já tive vendo duas traves de madeira pra esse meio tempo. Deve chegar o mais tardar daqui a duas semanas?.

O bambabam da FME reafirmou que há um projeto pro local. Ele prevê um campinho de futebol de areia, uma quadra de vôlei, uma quadra de concreto e ainda a construção de um quiosque no meio. O abobrão garantiu que na semana que vem vai começar a buscar verbas com as secretarias municipais de segurança pública e de educação. Quanto à escolinha de futebol, conta que o projeto foi transferido para a escola Cidade da Criança, que atende a piazada carente. Eduardo assumiu há quatro dias a fundação de esportes.

Enxotaram o parque

Pra cagar ainda mais a situação, um parque de diversões particular resolveu se instalar bem no campinho. O caminhão do parque chegou a quebrar um pedaço do portão da entrada e os funcionários fizeram um buraco pra fincar os brinquedos, como se fosse propriedade deles. Lúcio dos Santos, gerente do parque de diversões, alega que tudo não passou de um mal entendido e que alguém da prefa, que ele não informou o nome, teria liberado a instalação.

Lúcio fez questão de dizer que só quer o bem do povão e trabalhar sossegado. Diz que quando chega nas citys vai logo pedindo licença na prefa para trabalhar em terrenos públicos. Mas como tinha falado com um abobrão, achou que tava limpo de montar os brinquedos e pegar o alvará depois. Lúcio ainda afirma que até segunda-feira da semana que vem vai arrumar o portão e tampar o buraco. Na segunda-feira, o vereador Marquinhos denunciou o abuso na Câmara. Ontem, os últimos equipamentos do parque estavam sendo transferidos prum terreno particular.

  •  

Deixe uma Resposta