• Postado por Tiago

A prefa da capital tenta novamente, junto à 2ª vara da justiça federal, uma forma de evitar que comerciantes instalados no camelódromo e no cestão do povo da Baía Sul não sejam despejados do local. No ano passado, a União pediu de volta a área de mais de 33 mil metros quadrados de onde mais de 200 famílias tiram o sustento. A ideia é construir na região a sede do Ministério Público Federal (MPF).

Na semana passada, o juiz Hildo Nicolau Perón considerou impossível qualquer acordo porque a prefa não teria apresentado uma solução concreta pra resolver duma vez o perrengue. “Se o município não apresentasse o estudo de viabilidade requerido pela União, presumiria o desinteresse na continuidade da negociação”, lascou.

O estudo observa o potencial de aproveitamento do imóvel, o que pra prefa é um trabalho que precisa de mais tempo pra ser realizado. “Uma das propostas é compartilhar a área. Assim, evitaríamos a geração de um grande problema social”, avalia o procurador geral do município, Jaime de Souza.

  •  

Deixe uma Resposta