• Postado por Tiago

INTERNA_12_abre_Ana-Carolina-Canziani-fonoaudióloga_foto-luz-clarita

Ana Carolina trampava há nove anos com o povão necessitado

A secretaria da saúde de Navega deixou uma carrada de pacientes revoltados esta semana: d?uma hora pra outra, demitiu duas fonoaudiólogas. O povão que procurou o DIARINHO pra denunciar o que chamou de sacanagem tá preocupado com o fim dos atendimentos.

Procurada pela reportagem, a fonoaudióloga Ana Carolina Canziani, 31 anos, confirmou o que diz ser um descaso da secretaria da saúde. Quando foram demitidas, ela e a colega Vanessa Rocha, 26, foram comunicadas de que o serviço de fonoaudiologia poderia ser encerrado divez. A desculpa dada foi a falta de grana na prefeitura.

Ana trabalhava há nove anos na prefa com exames admissionais e demissionais e chegava a atender 200 pacientes por mês. Vanessa atendia 32 pessoas que estão em terapia e precisam de auxílio toda semana. As fonos disseram ao DIARINHO que estão revoltadas porque o diretor da secretaria revelou que o serviço pode acabar de vez pelo sistema público de saúde. O que também deixou as profissionais cabreiras foi o fato de não terem sido avisadas com antecedência da demissão, sem possibilitar que avisassem os pacientes antecipadamente.

Almir Jacob Ricobom, diretor geral da saúde dengo-dengo, disse que vai manter o serviço, com uma fonoaudióloga da prefa e a ajuda de uma outra profissional, remanejada da secretaria de educação. ?Toda mudança gera desconforto, mas sem dúvida era necessário?, disse, concluindo: ?A realidade é cruel?.

Mães de pacientes tão revoltadas

Maria Jurema Ficher, 39 anos, ficou sem chão quando soube da notícia de que as fonoaudiólogas não atenderiam mais pelo sistema público de saúde. Sua filhota, de nove anos, tem síndrome de down e há dois anos faz terapia com a fonoaudióloga que a prefa disponibilizava. ?Eu trabalho de doméstica, tenho quatro filhos, não tenho como pagar um tratamento?, diz, sem saber, agora, o que fazer para continuar a terapia da filha. Jurema pretende fazer um abaixo assinado contra a decisão da secretaria da saúde.

O mesmo sentimento de revolta de Maria é o da funcionária pública S.R.V., 40 anos. Na tarde de ontem, ela foi levar na clínica da prefeitura a filha de cinco anos para o tratamento que faz toda semana. A menina troca algumas letrinhas na hora de falar e escrever. Quando foi avisada que o serviço tinha sido cortado pela prefa, S. ficou sem rumo. ?Isso é desumano. Ela não pode parar esse serviço. Ainda não sei o que vou fazer?, disse.

Um fonoaudiólogo ajuda pessoas com problemas de audição, linguagem e voz. Crianças como as filhas de Maria e de S. eram a maioria dos atendimentos das terapias das fonoaudiólogas de Navegantes. Entre os pacientes, elas também tinham idosos com dificuldade até em mastigar depois que sofreram derrame cerebral.

  •  

Deixe uma Resposta