• Postado por Tiago

INTERNA_21_abre-direita_demolição-telhado-restaurante-bombinhas_leitor-(3)

Roberto registrou até um boletim de ocorrência contra a abobrona.

Uma suposta perseguição política estaria rolando pros lados de Bombinhas. Na quinta-feira, a prefeitura mandou demolir o telhado dum restaurante que tava sendo reformado, antes do prazo que tinha dado pro dono do local se adequar à lei municipal. O proprietário do restaurante, Roberto Vanderlei Furst, 33, acusa os abobrões de perseguição, pois ele faz parte da Associação de Moradores da Praia de Bombas (AMPB), que publica um jornalzinho periódico e anda falando dos problemas ambientais e das obras irregulares que rolam na city. ?Eles já tinham embargado a obra de reforma no telhado e tinham me dado um prazo até a sexta-feira pra me adaptar. Mas vieram aqui e detonaram tudo?, contou, cabreiro.

Roberto questiona a ação da prefa. ?Eles dizem que meu telhado é irregular, mas ele tá aí há mais de 15 anos. Enquanto derrubam meu restaurante, mais de 150 obras irregulares na cidade foram aprovadas na cara de pau?, alfinetou.

As supostas obras ilegais foram regularizadas por uma lei do prefeito Maneca do Quiosque (PP) aprovada pelos vereadores no dia 18 de agosto. Construções erguidas até dezembro de 2007, que não obedeciam as regras do plano diretor, vão poder ficar quites com a prefa se os donos desembolsarem uma graninha de indenização.

Aí é que mora a crítica do pessoal da associação de moradores. ?Isso é um absurdo sem tamanho e como estamos falando disso no nosso jornal da associação, estamos recebendo agora as retaliações?, diz Roberto. ?Fui questionar o embargo com a secretária do planejamento e fui enxotado da secretaria. Virou ditadura?, reclama ainda. ?Ela me chamou de subversivo e ameaçou que iria cancelar meus alvarás e que eu não iria trabalhar na temporada de verão?, completou.

Êita, mulher difírci

Durante dois dias o DIARINHO tentou conversar com Walkiria Mauzer, secretária de planejamento. Na quinta-feira, um assessor informou que ela até tinha passado pela secretaria, mas que não estava mais lá. O celular estava desligado. Ontem, a secretária estava no seu local de trabalho, mas o tal assessor não quis interromper a conversa que a abobrona tinha com o prefeito e prometeu retorno, o que não aconteceu. A reportagem tentou também o celular, mas ninguém atendeu.

  •  

Deixe uma Resposta