• Postado por Tiago

INTERNA-POLÍCIA-PÁGINA-CINCO-p---assassino-preso---gabriel-kreuch-campello

Gabriel recorreu duas vezes da condenação, mas agora tá preso

Os tiras da Central de Operações Policiais de Itajaí prenderam na manhã de ontem, em Itajaí, Gabriel Kreusch Campello, 28 anos, condenado a 28 anos de cadeia por mandar pro além Jean Carlos Fagundes e deixar paraplégico o pai da vítima, Agenor Romualdo Fagundes. O assalto que acabou com a vida de Jean e ainda deixou o homem paraplégico rolou em junho de 2004, no bairro Cordeiros.

O malaco tinha sido julgado pelo júri da city peixeira em abril de 2008, quando pegou pena pesada por ter praticado um latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte. Inconformado, o traste recorreu duas vezes ao Tribunal de Justiça da Santa&Bela, em Floripa. Em maio deste ano, os juízes da capital negaram de vez o pedido de arrego do bandido.

O atraque dos tiras da COP rolou por volta das 7h, na baia do cara, que fica na rua Francisco Machado, número 170, no loteamento do Brejo, nos Cordeiros. Os policiais pegaram o rapaz de surpresa e ele se entregou na boa, já sabendo que o segundo recurso pedido na capital também tinha sido negado.

Gabriel frequentava o mundo do crime desde quando era dimenor e tem nas costas outros roubos e assaltos. Ele chegou a ficar alguns meses atrás das grades pelo crime contra a família Fagundes. Ontem, o cara voltou pro cadeião peixeiro, onde deve ficar até ser mandado pra uma penitenciária.

Matou o filho e feriu o pai

O crime rolou na noite de 18 de junho de 2004, na rua São Cristóvão, nos Cordeiros. Gabriel e um comparsa invadiram a casa da família Fagundes para assaltar e acabaram matando o filho e ferindo gravemente o pai do garotão.

O eletricista Jean tinha 25 anos e partiu pro além depois de tomar duas azeitonadas na barriga. O coitado chegou a ser levado com vida para o hospital Marieta Konder Bornhausen, mas não guentou o tranco e morreu horas depois. Já o pai da vítima, Agenor, 55, também tomou um balaço no bucho e ficou paraplégico, sem os movimentos das pernas. Na época, a divisão de investigações criminais (DIC) descobriu o Gabriel como um dos assaltantes e ajudou a botar o bandido atrás das grades, onde o traste ficou até 2005.

  •  

Deixe uma Resposta