• Postado por Tiago

Pra encarar a difícil missão de salvar vidas, é preciso gostar do que faz

As histórias de quem escolheu passar os dias arriscando a vida em alta velocidade pra socorrer quem precisa de ajuda têm duas coisas em comum: o amor pela profissão e uma quedinha pela adrenalina. O médico Douglas é um bom exemplo disso. Formado pela USP de Ribeirão Preto, ele abriu mão da tranquilidade de um consultório pra ser dotô na aeronáutica. Mas não demorou muito a descobrir que pra sentir-se realizado, precisava de um pouco mais de emoção. ?Eu gostava de lá, mas queria mais adrenalina. É o que a gente sente cada vez que sai pra uma ocorrência?, revela.

Amante dos esportes radicais, há um ano e meio ele encarou o desafio de ser médico do Samu, e não se arrepende. ?No Samu você sente que tá fazendo a diferença. As pessoas te recebem muito bem, é muito recompensador?, afirma.

Sidclei, o socorrista, também vê a profissão de maneira bem parecida. Técnico de enfermagem, ele trampava no pronto atendimento de um plano de saúde quando pintou o convite pra integrar a equipe do Samu. ?Experimentei dois dias, pra ver se ia me adaptar. É muita adrenalina. Gostei tanto que voltei ao meu antigo emprego só pra pedir as contas?, diz.

Já o enfermeiro Walter, veio por um caminho diferente. Há três anos ele já trabalhava num hospital particular do Balneário, onde é supervisor da equipe noturna de enfermagem, quando quis achar um jeitinho de aumentar a renda, e entrou no Samu. Não saiu mais. ?A gente se apaixona por isso aqui. Salvar uma vida não tem preço?, garante.

Apesar de as tragédias fazerem parte do dia-a-dia dos três, nenhum deles perdeu a sensibilidade diante da dor alheia. Quando o caso é grave, como um acidente feioso, por exemplo, antes de sair eles dão as mãos e rezam pra que possam fazer o melhor.

Por incrível que pareça, o que abala esses homens, tão acostumados com o sofrimento, é a morte. ?É muito difícil perdermos alguém na ambulância. Quando acontece, a equipe fica sem chão?, admite Douglas.

Quando chamar o Samu?

?numa parada cardíaca

?intoxicação

?queimaduras

?fraturas

?trabalhos de parto

?tentativas de suicídio

?crises de pressão alta

?acidentes com vítimas

?choque elétrico

?acidentes com produtos perigosos

?transferência de hospital

Fonte: saite do Ministério da Saúde

  •  

Deixe uma Resposta