• Postado por Tiago

GERAL-10-BASE---g---vendedores-ambulantes-foto-rubens-flores-arquivo-23set08a

Ambulantes não precisam se preocupar com mudanças por enquanto

A galera do sindicato dos ambulantes de Bombinhas venceu a batalha contra a prefa que queria mudar parte do trampo dos vendedores das praias da city. Foi rejeitado por todos os vereadores o projeto de lei que previa uma readequação dos registros dos ambulantes. Apesar da rejeição, a guerra continua e a prefeitura promete levar a proposta dinovo pra briga.

A sessão extra rolou na noite de quarta-feira. O projeto de lei entrou em segunda votação e sofreu uma baita virada de mesa. A proposta ganhou um não bem grande de todos os nove vereadores que consideraram a proposta incompleta. ?O projeto não determina número de pontos e nem localidade. E aumentava as taxas dos alvarás em mais de 50% do que era cobrado no ano passado?, explica o presidente da mesa, Edson Tridapalli (DEM).

Como o projeto já recebeu emendas pra caramba, a única solução foi retirá-lo de uma vez por todas. A proposta é polêmica pacas e já causou um rebuliço na cidade. Pros integrantes da associação dos ambulantes, o documento representa a extinção de vagas e a mudança dos pontos de venda de alguns produtos. Pelas contas do pessoal da associação, 400 ambulantes ficariam sem trampo nessa temporada, caso o projeto fosse aprovado.

Mas os ambulantes terão pouco tempo pra comemorar. Embora tenham vencido uma batalha, a guerra ainda não acabou. O secretário de Turismo, Darlan Martins Junior, garante que irá reapresentar a proposta na câmara. Ele ainda não definiu a data, mas crê que o documento voltará à casa do povo até o fim de 2009. ?Se for possível esse ano, apresentamos esse ano?, disse.

O abobrão acredita que o projeto não prejudica os ambulantes. Pra ele, a proposta organiza os pontos de venda e de cadastro, já que diminuiria a concorrência com número menor de inscritos e impediria que os espertinhos disputassem mais de uma vaga. ?Mas continua valendo a lei que já está vigente?, relembra, ao referir-se à lei criada em 2001, que reorganiza os pontos de venda, emissão de alvarás e quantidade de ambulantes.

Diferente do que se viu na sessão de quarta-feira, o projeto de lei já foi aprovado pela maior parte dos vereadores. Em 28 de setembro, entrou em primeira votação e foi aprovado por seis votos contra três. No entanto, o presidente da associação dos ambulantes, Vilmar Marchezzi, não deixou barato e suou a camisa no último mês pra convencer os vereadores a rejeitarem a proposta.

Com a informação que o projeto poderá voltar à câmara, Vilmar já pensa em mexer os pauzinhos. Pretende usar a tribuna da casa do povo pra pedinchar ao prefeito que deixe a história do jeito que está. ?Agora temos que esperar o poder da caneta do prefeito pra ver o que ele vai fazer. Temos nove votos a nosso favor e ele deveria considerar isso?, lascou.

  •  

Deixe uma Resposta