• Postado por Tiago

INTERNA_13_meio-da-página-barulho-alto-_nicanor

Hamilton de Queiroz Júnior, 30 anos, trabalha desde dezembro com propagandas de som em Navega. Ele é dono de duas motocas e sabe de cor as regras que deve seguir para preservar o ouvido do povão. Faz dois meses que ele fez o alvará das motos na prefa. ?Não posso correr o risco de ser multado?, diz, lembrando que quando começou no ramo procurou a prefa, mas foi informado que não existia a regulamentação.

Ele diz que conhece várias pessoas que estão irregulares na profissão e acha uma sacanagem os colegas não cumprirem com as obrigações legais. ?Isso é ruim pra nós e acaba prejudicando todo mundo?, afirma Hamilton.

Como pedir o alvará na prefa

Para regularizar a situação, os trabalhadores de propagandas sonoras devem ir até a Fundação do Meio Ambiente (Fuman). Os donos de carangos, motocas e zicas devem apresentar o documento dos veículos, pagar uma taxa e passar pela fiscalização.

Sem empentelhação

Faz alguns anos que o povão de Balneário Camboriú tá livre da incomodação das propagandas sonoras. Na cidade, a prefa não deixa nem os farofeiros curtirem um bate-estaca na praia, muito menos veículos de propaganda. O responsável pelo departamento de planejamento e pesquisa da secretaria de Turismo, Alexandre Montenegro, explica que a lei que proíbe os veículos de som foi criada com base numa legislação estadual.

Alexandre conta que em Balnê, além da poluição sonora os veículos de propaganda, principalmente no verão, atrapalhavam o trânsito que já é

  •  

Deixe uma Resposta