• Postado por Tiago

INTERNA-9-ABRE---g---pedido-de-cassação---marcelo-werner

Marcelo Werner: ?É uma tentativa de golpe?

Os mandachuvas do Partido dos Trabalhadores (PT) peixeiro protocolaram na tarde de terça-feira um pedido de cassação do mandato do vereador comunista Marcelo Werner. De acordo com o presidente do PT, Felipe Damo, o partido ficou sabendo através da imprensa que o vereador do PC do B era sócio de uma empresa que mantinha contrato com o município até meados de março, ou seja, depois de ter sido diplomado para o cargo na câmara, o que é irregular, conforme a constituição federal. ?É de costume do PT fiscalizar qualquer irregularidade. Nossos vereadores fiscalizavam até o governo do partido durante o mandato anterior e seguiremos fiscalizando?, lascou o presidente petista.

Felipe conta que a decisão de entrar com a representação foi de todo o diretório municipal da sigla. ?Achamos que a sociedade itajaiense merece os esclarecimentos, mesmo porque o Marcelo se elegeu através da coligação com o próprio PT e deve uma resposta ao partido e ao município?, explicou. Caso Marcelo seja realmente cassado, quem assume o cargo é o petista João Vequi.

O presidente da câmara de vereadores, Luiz Carlos Pissetti (DEM), disse que já mandou o pedido de cassação para a comissão de ética da casa, que irá se reunir para dar o parecer se a aceita ou não a denúncia. Embora não tenha um prazo, Pissetti afirma que o parecer não deve demorar.

Caso o parecer seja contrário ao processo de cassação, o plenário da casa analisa o parecer e decide se a tentativa de tirar o comunista da caderinha estofada é valida ou não. Se o parecer for favorável, o vereador comunista terá que apresentar sua defesa, com provas e testemunhas, num prazo de, no máximo, quinze dias.

Após este processo, um parecer final será emitido pelos vereadores da comissão, que decidirão se houve ou não desvio ético por parte do parlamentar. Confirmado o desvio de conduta, o pedido de cassação irá para votação no plenário.

Criada no dia 24 de junho, a comissão de ética da casa legislativa teve seus membros definidos na sessão da última terça-feira, mesmo dia que chegou na mesa a representação contra Marcelo Werner. Ela é composta pelo presidente Laudelino Lamim (PMDB), pelo vice Douglas Cristino da Silva (DEM) e o relator Renato Ribas Pereira (PSDB). Os demais membros são Osvaldo Gern (PP), Paulinho Amândio e Maurílio Moraes (PDT).

Tranquilo

O vereador Marcelo Werner afirmou não ter ainda acesso a todos os termos da representação, mas seguirá trabalhando tranquilamente, pois confia que sua conduta não foi passível de cassação. ?Eu cumpri a lei, me desliguei da empresa e não pratiquei nenhum ato que pudesse me favorecer financeiramente. Continuo agindo com a melhor conduta?, disse.

O comunista aguarda o parecer da comissão de ética para preparar sua defesa. ?É uma tentativa de golpe na democracia, pois o meu mandato eu conquistei nas urnas?, mandou.

  •  

Deixe uma Resposta