• Postado por Tiago

abre-p2-horizontal-1200---2---A-Pena-e-a-Lei

Grupo de teatro Anchieta encena textos consagrados no auditório da prefa neste finde

Quem adora teatro e tem fôlego de sobra vai se esbaldar neste fim de semana na city peixeira, onde rola a 7ª Maratona Teatral do grupo Anchieta. São mais de 30 atores divididos em quatro grupos na apresetação das peças ?A Pena e a Lei?, de Ariano Suassuna, ?Pornografando e subvertendo?, de Plínio Marcos, ?A Greve de Sexo?, de Aristófanes, e ?Casa de Bonecas?, de Ibsen. Supervisão de Valentim Schmoeler.

Os espetáculos serão apresentados no auditório da prefa peixeira, na Vila Operária, e os ingressos custam R$10 e R$ 5 (idosos e estudantes). Os que vão assistir a todos os espetáculos podem adquirir o passaporte por R$ 30 e R$ 15.

?A Pena e a Lei? foi escrita por Suassuna em 1959, e a versão peixeira, que será apresentado às 19h de sábado, tem direção de Daiana Wagner. A peça conta a história de uma cidadezinha no interior da Paraíba, onde uma moça deixa os homens loucos de paixão. O delegado Rangel, o coronel Vicentão e Benedito brigam pelo coração da moçoila até depois de baterem a caçuleta. Suassuna ficou conhecido do grande público pela adaptação cinematográfica do ?Auto da Compadecida?.

?Pornografando e Subvertendo? é a segunda atração de sábado, às 21h. A peça é baseado na vida e na obra do autor maldito Plínio Marcos e terá a direção de Emerson Espíndola. O texto é em forma de reportagem e relata experiências vividas durante as diversas fases da sociedade brazuca, inclusive durante a ditadura militar. Um texto famoso de Plínio Marcos que foi parar nas telas do cinema é ?Dois perdidos numa noite suja?.

?A Greve de Sexo? é uma comédia de Aristófanes, autor grego de 445 aC, que conclamava as mulheres a deixar os maridos no ora-veja para que acabassem com a guerra. A direção do espetáculo, que rola no domingo, às 19h, é de Bruna Machado. ?A Casa de Bonecas? foi escrita em 1879 pelo norueguês Henrik Ibsen e aborda o papel da mulher do século 19. O texto, que será encenado às 21h de domingo, coloca a mulher em situações nada convencionais para a época, em que tudo era tabu. Direção de Fabrício de Carvalho.

  •  

Deixe uma Resposta