• Postado por Tiago

CAPA-g-mata-atlantica-cabeçudas 

Olhe bem esta maravilha ? pode ser a última vez…

Os moradores da rua João Manoel da Silva, em Cabeçudas, tão indignados com a ameaça de acabar com um dos últimos redutos de mata atlântica do bairro nobre de Itajaí. Palmeiras reais, árvores de madeira de lei, como cedro e peroba, guarapuvus e açaizeiros, que atraem centenas de aves, estão ameaçadas de ir pra chón caso se confirme a intenção do proprietário do terreno de cerca de 20 mil metros quadrados de fazer uma limpa e construir uma mansão.

Pela informação de moradores, a área pertence a Sérgio Lenoir, que estaria morando na Suíça, mas tem contatos suficientes em Itajaí pra agilizar o crime ambiental nas barbas da prefa.

J.A.T., 74 anos, mora há 48 anos na área vizinha à mata. ?Quando vim pra cá não tinha nada, só mata e muito passarinho?, relata. Ele disse que as árvores servem de abrigo e alimento para gaturamas, saíras, sanhaçus, tiés, gralhas e aracuãs, fora centenas de beija-flores que fazem ninhos por lá. ?Não podem acabar com esta maravilha, mas tem gente que não gosta de natureza. Na outra administração, a obra foi embargada, vamos ver agora?, disse J.

O chefe de fiscalização e licenciamento da Fundação do Meio Ambiente de Itajaí (Famai), Jonas José Pereira, deu um pulinho no local ontem pela manhã, depois da ligação do DIARINHO. O bagrão contou que foram apresentadas as licenças da Famai e da Fatma emitidas em 2006. Jonas fez cópias dos documentos e junto com o superintendente da Famai, Nilton Dauer, vai analisar os pápelis pra ver se tá tudo em ordem. Por enquanto, segundo o bagrão, os fiscais tão de olho no local e não vão deixar a desvastação rolar solta.

  •  

Deixe uma Resposta