• 16 nov 2009
  • Postado por Tiago

IPI

O governo federal decidiu manter o IPI reduzido para a chamada linha branca, que engloba máquinas de lavar, geladeira, fogão e tanquinhos. Assim, o trabalhador brasileiro ganha mais um prazo para trocar seu eletrodoméstico antigo por um mais moderno, que consuma menos energia.

Corrupção

A revista Isto É trouxe uma matéria desalentadora sobre a corrupção no Brasil. Os dados e as informações trazidas pelos repórteres mostram que o desvio de dinheiro público está longe de se acabar. Os órgãos de fiscalização, como os tribunais de contas, não possuem estrutura para impedir o mau uso das receitas públicas.

Impunidade

Outro ponto a favor dos corruptos é a certeza da impunidade, vez que as ações que apuram crimes contra a administração pública costumam durar anos e anos. Uma informação interessante trazida pela revista, após consulta à Controladoria-Geral da União, é que o grosso da corrupção está nos pequenos desvios, e não nos grandes escândalos. A soma de todos os desvios existentes nos pequenos municípios representa uma dinheirama incalculável.

As sacanagens

São licitações fraudadas, notas fiscais falsas, recibos forjados, ou, a apropriação pura e simples. Não raro, o governo federal libera recursos para a construção de uma obra e os administradores municipais simplesmente embolsam o dinheiro, pois sabem que a fiscalização é falha e até mesmo inexistente.

A nossa parte

Como os órgãos competentes não conseguem impedir o mau uso do dinheiro público, cabe ao cidadão se organizar em grupo e fiscalizar a aplicação das receitas públicas. Muitas ONGs já foram criadas com este propósito, merecendo destaque a Amarribo, que já conseguiu grandes feitos contra prefeitos corruptos. Se ficarmos apenas sentados jamais conseguiremos diminuir a roubalheira que toma conta do país, pois os órgãos existentes para este fim são ineficientes. O fim da corrupção começa por cada cidadão consciente.

Unibabacas

Somente num país conservador, que se contenta e estimula a mediocridade, os alunos de uma universidade se preocupam mais com o vestido curto e provocante de uma de suas colegas do que com o saber e o conhecimento – que, aliás, são desprezados por setores influentes da sociedade.

E pior:

E pior: somente nesse mesmo país aquela mesma aluna é expulsa da instituição sem aviso prévio, depois voltam atrás, tendo seu nome exposto e estigmatizado em anúncios de jornal, ecoando, na prática, os gritos de “puta” bradados há duas semanas por uma horda de boçais. Enquanto isso, esses últimos ficam impunes na prática, recebendo, no máximo, uma suspensão – verdadeiro prêmio para quem não se importa com os estudos.

Culpa da vítima?

O episódio, que foi uma demonstração de baixaria e machismo barato, confirma uma tendência da sociedade brasileira: a culpa de tudo é das vítimas. Os criminosos, no caso a turba espumante de futuros profissionais, serão, no máximo, suspensos. Cadê as manifestações dos estudantes dos cara-pintadas? Cadê as manifestações das associações de defesa dos direitos humanos?

Drogas e tratamento

O viciado em drogas não vai se curar sendo forçado ao tratamento. Todos sabem que a vontade de largar o vício é o que faz o tratamento funcionar de fato. E sobre obrigar os viciados a se evangelizar, digo que é desrespeitar a fé (ou falta de fé) alheia. Absurdo.

Gozação

O que será que o presidente Lula tem contra o presidente dos EUA, Barack Obama, para sugerir o SUS como modelo de saúde pública para os americanos? Lula quer é derrubá-lo e desrespeita o sofrido usuário do SUS (sistema único de sofrimentos). Se o serviço no Brasil fosse tão bom quanto ele diz, duvido que grande parte dos brasileiros estivesse pagando caríssimos planos privados!

Lula, Obama e o SUS

Frase do nosso excelentíssimo presidente da República, publicada em jornais: “Obama, faça um SUS. Custa mais barato, é de qualidade e é universal”. Nosso presidente deveria ter experimentado a qualidade do serviço público de saúde de qualquer Hospital público e assistir um colega de trabalho que ficou cinco horas com cólica renal para fazer a triagem e mais três para ser medicado.

Serviço Militar para profissionais da saúde

Para amenizar a falta de profissionais em áreas remotas, o Ministério da Defesa quer tornar obrigatório o serviço militar para médicos, dentistas, farmacêuticos e veterinários. Projeto enviado ao Congresso prevê que universitários da área da saúde dispensados por estarem na faculdade ou por excesso de contingente poderão ser convocados após a formatura.

  •  

Deixe uma Resposta