• 08 jun 2009
  • Postado por Tiago

Projeto ficha suja

O Senado aprovou projeto do senador Pedro Simon, que é necessário ter a reputação ilibada como condição para se candidatar. Projeto seguirá para análise da Câmara. Exigir idoneidade moral e reputação ilibada dos candidatos a cargos eletivos recebeu votação favorável dos membros da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Será que emplaca?

Pela proposta, o cidadão não poderá obter registro da candidatura se não detiver essas duas condições. O projeto encontra razão na defesa da moralidade dos agentes públicos. Como tem decisão terminativa, seguirá para análise da Câmara. E vocês acreditam que este projeto vai passar pela Câmara? Falando sério, se passar vai ter pouca gente para se candidatar.

Que figura!

Figura polêmica na política brasileira, Carlos Minc passou a ser conhecido internacionalmente desde que se tornou o novo ministro do Meio Ambiente do Brasil, no momento em que se fala muito da desflorestação da Amazônia.

No regime militar brasileiro

Minc atuou na organização Vanguarda Popular Revolucionária (VPR), junto com Dilma Roussef, que hoje é ministra-chefe da Casa Civil e braço-direito do presidente Lula – terá sido ela que o indicou para o cargo. De família judaica, Minc tem 56 anos. Após ser fundador do Partido Verde, passou para o Partido dos Trabalhadores (PT), de Lula.

Ficou 10 anos no exílio

Em Cuba, Chile, França e Portugal – até a volta ao país, em 1979, quando fundou o partido verde e depois se transferiu para o PT. No ano anterior, tinha concluído um mestrado em Planejamento Urbano e Regional, pela Universidade Técnica de Lisboa.

Repúdio

Voto de repúdio ao Ministro de Estado do Meio Ambiente, Carlos Minc, em todo o país, após injuriosas declarações do ministro aos produtores rurais brasileiros. O voto de repúdio será encaminhado ao presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, com cópia ao próprio Carlos Minc.

Depois de ser criticado no Congresso Nacional

Por sua participação na chamada “Marcha da Maconha” no Rio de Janeiro, disparou contra colegas de Ministério ao afirmar que têm “duas caras” por defenderem postura em reunião no Palácio do Planalto, e outra articulando suas bancadas para fazer com que o Ibama libere laudos de impacto ambiental das obras do PAC.

A frente parlamentar da agropecuária…

Encaminhou um requerimento pedindo que o ministro Carlos Minc, explique porque chamou de vigaristas os deputados e senadores da bancada de apoio à agricultura. “Nós exigimos que o ministro venha se retratar e dizer exatamente o que ele pensa a respeito do produtor rural e daqueles que produzem empregos e renda neste País”. É preciso respeitar aqueles que trabalham para levar comida à mesa dos brasileiros.

Setor produtivo

O ministro chama de vigaristas aqueles que defendem o setor produtivo brasileiro, aqueles que garantem 37% dos empregos, 40% do PIB, que mantêm o superávit comercial do Brasil em 50 bilhões de dólares e aqueles que mantêm esse Brasil produtivo em pé. Em caloroso pronunciamento, o deputado Cezar Silvestre (PPS/PR) classificou o ministro de desqualificado. “Ele tem agido de forma antipatriótica, proibindo e atrapalhando o desenvolvimento do nosso País em todos os setores, não só na agropecuária”

Boa Notícia

O Ministério da Agricultura da Rússia confirmou pela manhã a reabertura do mercado daquele país para a importação da carne suína catarinense. O mercado estava deprimido até este momento, mas a perspectiva para os próximos 12 meses é excepcional. Poderá faltar carne catarinense para exportação devido à grande demanda.

Hora da verdade

Abrir uma CPI para apurar todas as irregularidades da Petrobras é ótimo. Melhor ainda se as investigações forem até as raízes dos favorecimentos, não permitindo que ela morra na praia sob o argumento de garantia da governabilidade. Esse final melancólico, já vimos em outro filme, espero algo diferente desta vez.

(Carta de Mara Montezuma Assaf à Zero Hora)

Mau exemplo

É vergonhosa a atitude dos deputados e senadores. Depois da farra das passagens, agora pensam em dobrar seus salários com a desculpa de cobrir todas as despesas. Governar em causa própria é a regra desses brasileiros que, lamentavelmente, foram eleitos para nos representar e que são um péssimo exemplo de patriotismo.

(Carta de Paulo José Ferretto ao Brazilian Press)

  •  

Deixe uma Resposta