• 30 nov 2009
  • Postado por Tiago

Popularidade

Em mais uma avaliação da CNT/Sensus, a aprovação da população brasileira ao governo do presidente Lula, chegou em 70% em novembro. Caiu? Apesar da subida da popularidade de Lula e do governo, os índices são menores do que os registrados pelo petista no início deste ano, quando o presidente bateu recordes de popularidade. Na ocasião, o índice chegou a 80%.

Pesquisas eleitorais

Pela última pesquisa das Eleições de 2010, Serra lidera, mas a diferença para Dilma cai. Somos mais de 180 milhões de brasileiros em 5.561 municípios, dos quais cerca de 130 milhões são eleitores. Então, do meu ponto de vista, pesquisar 2 mil eleitores (0,0015% do total) em 136 municípios (2,4%) em locais desconhecidos fornece uma visão muito limitada. Pesquisas de opinião não são infalíveis nem inquestionáveis, mas, feitas com rigor, costumam representar uma amostra confiável do universo investigado.

A verba indenizatória

Que é de R$ 15 mil mensais, só pode ser usada com apresentação de comprovantes. Só nos últimos quatro meses de 2008, nossos deputados federais apresentaram cerca de 70 mil notas fiscais, muitas de empresas fantasmas ou de endereço inexistente, para justificar despesas passíveis de reembolso. Uma monstruosa demonstração de falta de decoro, de crime de lesa-pátria, merecedora de perda de mandato.

Acima da Lei

O mesmo deve ocorrer nas dezenas de Assembléias Legislativas e nas milhares de Câmaras de Vereadores do país. Ficaríamos felizes se nosso presidente, que está acima da lei, pois não acata decisão do Supremo na extradição de um terrorista, acima das Forças Armadas, pois não acata relatório técnico das Forças Armadas na compra de caças militares, acabasse com essa farra indenizatória. Sobrariam muito bilhões para saúde, educação.

A disparidade

Enquanto um professor aposentado recebe um mísero salário base de R$ 981,88 mensais, esses felizardos recebem verba indenizatória adicional mensal de R$ 15 mil para despesa de trabalho. Que trabalho?

Uma vergonha

A Corregedoria da Câmara analisará os 25 deputados que justificaram gastos com a verba indenizatória apresentando notas de empresas de fachada ou com endereços fantasmas. Esse filme nós já vimos quando a Câmara decidiu sobre as notas do deputado Edmar Moreira. Naquela oportunidade, o corregedor enviou seu relatório para a Comissão de Ética e esta arquivou o caso. Por que o Ministério Público Federal não abre uma investigação para apurar a verdade?

Temporada dos cruzeiros em SC

Aportou em Itajaí o Grand Voyager com 850 passageiros. Esse foi o primeiro das 42 escalas que a cidade recebe na temporada que iniciou no último domingo e prossegue até 8 de abril. A expectativa é de que mais de 50 mil passageiros de transatlânticos passem por Itajaí nesses seis meses. A abertura da temporada também culminou com o início da utilização das obras que compreendem a primeira fase do projeto de ampliação do Píer de Passageiros, que teve sua infra-estrutura ampliada em 491 metros quadrados.

Infra-estrutura

O comandante do Grand Voyager, Andrea Bardi, destacou a boa infra-estrutura do Píer de Passageiros de Itajaí e, principalmente, sua localização estratégica. É muito difícil um terminal de passageiros estar inserido no centro da cidade, como ocorre em Itajaí. E isso é muito importante. Além disso, a cidade está com uma infra-estrutura muito boa para receber os navios de passageiros. A intenção da Autoridade Portuária é tornar Itajaí mais atrativa para esse público. A ampliação do Píer também atende a uma necessidade de modernizar o entorno do Complexo Portuário.

Tudo sendo Estatizado

A Caixa Econômica Federal vai comprar 49% do capital votante do Banco Panamericano, em operação semelhante à associação entre Banco do Brasil e Banco Votorantim neste ano. Pelo negócio, a Caixa deverá pagar cerca de R$ 750 milhões ao Grupo Silvio Santos.

* jornalista, radialista e apresentador de TV

  •  

Uma Resposta to “Quirino Ribeiro”

  1. ipsuniva Diz:

    Bom dia Quirino, tudo bem?
    Em análise ao seu comentário sobre pesquisas eleitorais e sua representatividade em relação à população de pesquisa, gostaria de posicionar que:
    1) A amostragem de uma pesquisa quantitativa segue como referência a diversidade de uma população em relação ao fenômeno de pesquisa “comportamento eleitoral/intenção de voto”. Isto significa que quando realiza-se uma amostragem podemos garantir dois aspectos:
    a) que a população estará representada, com garantias estatísticas, em sua diversidade pela sua distribuição espacial, por gênero, faixas etárias etc.
    b) que tal distribuição é a mesma que se encontra na população de pesquisa. Então se 2% da população está morando no bairro “x”, teremos 2% da amostra deverá ser coletada neste bairro. Assim também para outros parâmetros de amostragem.
    2) Este processo assegura confiabilidade estatística e garantias de distribuição da população segundo determinados parâmetros. Alguns “institutos” ou”ou seus representantes que afirmam que com “300” entrevistas se conseguiria “conhecer” a sociedade de uma determinada cidade torna mais um desvio intuitivo do que um processo testado pela ciência de longa data. Mas ainda existem e não nos são estranhos.
    3) Como se pretende conhecer o comportamento de uma população em relação a um fenômeno de pesquisa, a amostragem firma-se na representatividade estatística da amostra para esta diversidade.
    Isto significa que grupos com comportamentos relativamente comuns conformam-se em determinados parâmetros. Por exemplo, grupos etários de 18 a 24 anos convergem em: não ter profissão definida ou estarem em formação profissional inicial, não terem filhos, obterem suporte financeiro de família, não terem independência emocional e material para suportar sua própria vida social, ter como filosofia de vida a sua própria eternização com baixa responsabilidade sobre seu futro imediato etc. Grupos etários de 25-34 anos (veja que o intervalo etário é distinto) convergem em outras características…
    4) Na medida que uma população de pesquisa cresce, a amostra se estabiliza. Por isso é possível realizar amostragens seguras com 2.000 entrevistas em São Paulo ou no Brasil e com 650 entrevistas em Itajaí para o mesmo tipo de investigação. Isto porque a amostragem concede garantias estatísticas em relação à diversidade considerada existente na população de pesquisa. Assim, mesmo que varie muito uma população de pesquisa, a amostragem se aproximará em quantidade de entrevistas.
    5) Em geral, a interpretação imediata de uma pesquisa é vinculada à população. Mas isto não é correto, pelos motivos apresentados acima.
    6) De todo modo, para se interpretar um resultado de pesquisa, é necessário saber os parâmetros de amostragem como Intervalo de Confiança (z), Erro Amostral, População de pesquisa (N), amostra (n), parâmetros de amostragem (“p” e “q”, caso hajam). Sem isto não há confiabilidade na interpretação e inviabiliza-se qualquer comentário.
    7) O principal problema de uma pesquisa não está em processo de amostragem – a não ser quando não são utilizados e a pesquisa caracteriza-se como “intuitiva” e estatisticamente inconfiável – mas a formação e controle qualitativos no processo de planejamento e execução da pesquisa. Isto se refere a formação de supervisores e pesquisadores de campo, condições de trabalho (deslocamento, seguro de vida, alimentação adequada, vestes [considerações semi-óticas], “ação comunicativa” (métrica, tom de voz, palavras-chave, recorrência, silêncios etc.). No Brasil há muitas dúvidas sobre a segurança de dados – inclusive oficiais – sobretudo expostas por institutos mal-intencionados ou mal formados (intuitivos).
    Há mais, porém não quero lhe tirar a paciência com tantos dados.
    Ficamos ao seu inteiro e irrestrito dispor para quaisquer esclarecimentos e sanar dúvidas que possamos ter colocado.
    Grande abraço!
    Sérgio Saturnino Januário
    Instituto de Pesquisas Sociais UNIVALI
    (+47) 3341-7791
    instituto@univali.br
    http://www.univali.br/ips

Deixe uma Resposta