• 15 jun 2009
  • Postado por Tiago

CONTRA-s---surfe-cego-base-_MG_9258

Sete surfistas deficientes visuais se arriscaram nas águas da Atalaia e estabeleceram um novo recorde brasileiro: o maior número de cegos pegando a mesma onda. O feito rolou por volta das 10h de sábado, na beach peixeira. Nem o frio espantou os surfistas, que estavam determinados a colocar o nome de Itajaí no livro dos recordes.

A ideia do surfe coletivo de cegos veio do presidente da escola de surfe Amigos da Atalaia, Jaílson Blasius Fernandes. Apesar das dificuldades financeiras, o treinador já realiza o trabalho com deficientes visuais há dois anos. ?O nosso objetivo é continuar quebrando recordes e divulgar o nosso trabalho?, explicou Jaílson. O treinador ainda comentou a dedicação dos alunos, que não usam a deficiência visual como obstáculo para o aprendizado. ?Eles aprendem mais rápido do que os meus outros alunos?, completou.

Além de surfistas de Navegantes, Itajaí e Brusque, outros atletas cegos vieram de longe para participar do desafio. Foi o caso de Valdemir Correa, 39 anos, cego há 11 anos, que se desbandou de Santos (SP) até Itajaí só para ter o nome registrado no livro dos recordes. O paulista ficou sabendo do desafio através de um saite na internet e resolveu participar. Ele explicou que o surfe traz uma liberdade única e parecida com um vôo. ?Eu sempre tive o sonho de voar e agora estou conseguindo através do surfe?, disse Valdemir.

O diretor da Ranking Brasil, Luciano Cadari, anotou e filmou direitinho todas as manobras da tchurma e levou o material para a empresa. Ele contou que como essa é uma categoria nova, criada pelos atletas de Santa Catarina, não há critérios para selecionar o recorde.

Os peixeiros estabelecem o índice e quem quiser entrar para o livro terá que quebrar o feito dos surfistas cegos. ?Cada um recebe um certificado e a escola de surfe receberá um troféu garantindo o recorde?, falou Luciano. Com as imagens feitas na praia e o certificado da Ranking Brasil os surfistas vão colocar o feito no Guiness Book.

  •  

Deixe uma Resposta