• Postado por Tiago

produtos-de-limpeza-(6)

Ainda é possível encontrar Pinho Sol Original com o mesmo preço de março

Como diz o economista Zé Álvaro, economista do departamento de estudos intersindicais de Santa Catarina (Dieese), toda crise tem um lado bom, pelo menos pra quem tá empregado. No caso da crise de consumo pela qual o mundo passa, a diminuição das vendas obriga o mercado a reduzir preços ou, pelo menos, não repassar aumentos pra incentivar o povo a ir às compras. Foi isso que aconteceu com a carne e também é isso que tá rolando no setor de material de limpeza.

Dos 32 itens pesquisados pelo DIARINHO, 13 caíram de preço, seis se mantiveram estáveis e 11 tiveram leve alta. A queda em nível de Brasil foi ainda mais acentuada: -4,22%. No final, o saldo foi a favor do consumidor, que gastou 1,53% a menos nos supermercados em março em comparação ao mesmo período no ano passado, segundo pesquisa da associação catarinense de supermercados (Acats). É a primeira vez que a crise econômica respinga no setor, que se achava blindado, se valendo da máxima de que ninguém iria deixar de comer e limpar a casa. Mas pode trocar por produtos mais em conta ou usar o sabão até o talo.

Marcas tradicionais ficam pra trás

Segundo pesquisa sócio-econômica da Latin Panel feita em março sobre o comportamento do consumidor brasileiro, foi verificado que ele está indo com menos frequência ao supermercado e trocando as marcas tradicionais. O próximo passo será deixar de comprar certas categorias de produtos, que chegam a 67. As classes A-B costumam comprar 32 categorias e o povão, 28.

A razão da mudança seria a inversão do ganho no poder aquisitivo das classes D e C conquistado em 2006 e 2007. Ou seja, todos aqueles produtos cheirosinhos de higiene e limpeza que tinham entrado no carrinho de compras do povão ficaram na saudade. Se permaneceram, foi pra endividar ainda mais a galera, que já tá pendurada no cartão de crédito e no cheque especial, que tem os maiores juros do mercado.

?O capitalismo só funciona com superprodução pra fazer a roda da economia girar. Se o mercado estiver mais retraído e não tiver escoamento de mercadorias, os estoques vão aumentar e o preço cair. No Brasil dos anos 30, Getúlio Vargas queimou fazendas inteiras de café pra forçar a alta do preço na bolsa de Nova Iorque. Do ponto de vista econômico, foi perfeito, mas do ponto de vista humanitário, uma catástrofe?, relata José Álvaro, do Dieese.

Ofertas pra inglês ver

Os empresários do setor de produtos de limpeza ainda não estão usando este artifício para elevar os preços, mas existem outras estratégias. Multinacionais fabricantes de produtos tradicionais estão lançando marcas com embalagens mais baratas e menor custo, passando a falsa ideia de concorrência. Tipo a Unilever, fabricante do OMO, que também detém as marcas Surf e Brilhante. E o detergente Limpol que lançou a embalagem ?econômica? de um litro.

Já outras empresas fazem promoções do tipo leve três e pague dois, sem que o consumidor se dê conta que está apenas comprando a mais e não fazendo economia. Um exemplo é a promoção encontrada num supermercado da city peixeira de R$ 9,58 por duas caixas de sabão em pó mais um detergente da marca Tixan Ypê. Como cada caixa custa R$ 3,79 e o detergente R$ 1,15, o custo dos três sai por R$ 8,73, ou seja, a promoção sai 9,73% mais cara.

  •  

Deixe uma Resposta