• Postado por Tiago

INTERNA_14_abre_posto-dagnoni---foto-Felipe-VT-00-(1)

Em poucos dias, a gasosa pulou de R$ 2,27 pra R$ 2,46 em vários postos de Itajaí

Esta semana, quando o representante comercial Luís Carlos da Silva, 51 anos, foi abastecer a sua motoquinha, o susto foi grande. O preço do combustível nos dois postos de Itajaí que ele sempre enchia o tanque, um com bandeira da Polipetro e outro da Shell, apresentavam o mesmo reajuste. O litro da gasolina nos locais passou de R$ 2,27 pra R$ 2,46.

Luís, que depende da moto e da caranga pra trampar, disse que com o preço baixo já gastava uma média de R$ 300 de combustível por mês. Agora com o reajuste, o gasto preocupa. ?É complicado né? E o pior é que não tem mais posto com gasolina barata. Os preços estão iguais?, acusa.

O representante ficou tão dicara com a alavancada nos preços que decidiu investigar. Ficou sabendo com funcionários e donos de postos de combustíveis que o reajuste tem nome: cartel. ?Os postos de Itajaí estão sendo pressionados a fixar um único preço. É um absurdo?, afirma.

Nenhuma denúncia foi formalizada por Luis aos órgãos competentes, mas o representante comercial tá tão indignado que promete não deixar essa história ser esquecida.

Sincombustíveis desconhece

O empresário Algenor Costa, presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Litoral Catarinense e Região (Sincombustíveis), disse ao DIARINHO que por enquanto nenhuma informação sobre a possibilidade de cartel em Itajaí chegou até ele. ?Eu acredito que isso não faz muito sentido. Não existe combinação de preço. Existe reajuste conforme o repasse do combustível. E se o preço cai, todos os postos também diminuem?, explicou.

Algenor argumentou que o aumento aplicado este mês, na city peixeira, ficou entre dois e cinco centavos para a gasolina e entre sete e 12 para o álcool. Mesmo assim, ele afirma que o valor cobrado pelo combustível em Itajaí é um dos mais baratos de Santa Catarina.

Caso sério

O advogado Rodrigo Bucussi, procurador da Procon, informou que nenhuma denúncia sobre cartel havia chegado no órgão até ontem à tardinha. O dotô explica que se trata de uma sacanagem grave e em caso de suspeita, a história é levada ao ministério público.

  •  

Deixe uma Resposta