• Postado por Tiago

Rola a partir das 19h de hoje a audiência pública pra apresentar um plano de habitação pra Balneário Camboriú. Barnabés entendidos no assunto vão mostrar um levantamento feito nas áreas de risco do município e apresentarão a proposta de construir 180 moradias pra galera que vive por um fio. O blablablá será realizado na Casa da Sogra, o centro comunitário do bairro dos Municípios.

Na audiência serão mostrados os dados levantados pela empresa de Curitiba, Ambiens Sociedade Coorporativa, que durante cinco meses fez um levantamento das áreas de risco da cidade. Com os dados as otoridades do município pretendem bolar o plano de habitação e apresentar uma solução pros perrengues.

Pela pesquisa, cerca de 400 famílias da Maravilha do Atlântico Sul vivem por um fio, pois invadiram áreas de preservação permanente ou vivem em barracos perto das encostas que correm o risco de deslizar a qualquer momento. O problema das moradias se agravou graças à enchente de 2008 e a chuvarada dos últimos meses, que encharcou o solo e tem deixado os morros mais lisos que sabonete.

As moradias ficam no morro da Cutia, no bairro São Judas Tadeu, no morro da Pedra, no bairro das Nações e no Jardim Denise, no bairro Nova Esperança, o popular Barranco. Por lá, umas 10 famílias até tiveram que ser retiradas de suas baias que corriam o risco de serem engolidas por uma montoeira de barro e uma pedrona gigantesca, e vivem até hoje num hotel pago pela prefa.

Pela proposta do pessoal da secretaria de Inclusão Social, a intenção é construir 180 casas num terreno no bairro da Barra. “Será oferecida uma casa para dar dignidade para estas famílias. Que saiam da situação que estão hoje e tenham uma casa de papel passado”, conta o secretário, Luiz Maraschin (PR).

As baiucas serão de alvenaria e terão toda a instalação necessária pra um sujeito viver na buena. A verba pra construção será de R$ 9 milhões, liberada através de uma parceria entre a Caixa Econômica Federal e a prefa. Como a licitação das empresas interessadas em fazer a obra ainda será aberta, não há data pra construção começar.

Maraschin conta que os 180 beneficiados já estão cadastrados, mas quem quiser ganhar alguma casinha do município terá que procurar a secretaria pra se registrar num outro plano habitacional que deverá ser tocado pela prefeitura em breve.

  •  

Deixe uma Resposta