• Postado por Tiago

O povão vai ter que mexer a busanfa se quiser que o Copom continue funcionando no comando do 1º batalhão da Polícia Militar, em Itajaí. A intenção é transferir os serviços para Balneário Camboriú.

A mobilização pela permanência da central de policiamento no município foi definida na noite de quarta-feira, durante uma audiência pública realizada na câmara vereadores. Na reunião, o tenente-coronel da 3ª Região, Fernando José Luiz, representante do comandante geral da PM, Eliésio Rodrigues, garantiu que se tiver uma mobilização popular o Copom pode permanecer em Itajaí.

Além da mobilização, as autoridades vão ter que convencer o governo do estado a equipar a sucateada estrutura existente em Itajaí, bem como aumentar o efetivo militar. A intenção do comando geral da PM é transferir a central para Balneário Camboriú, onde o Copom é mais equipado.

O vereador Laudelino Lamim (PMDB), autor da proposta de organizar a audiência pública para discutir a permanência da central em terras peixeiras, explica que a participação da comunidade pode ajudar a convencer o governador a investir em Itajaí. “Tenho o vídeo da audiência e pretendo mostrar ao governador como todos estão empenhados”, destacou.

O presidente da câmara Luiz Carlos Pissetti (DEM) garantiu que os vereadores da city estão unidos na defesa do Copom peixeiro. “Vamos tratar o assunto de forma suprapartidária”, disse.

Os vereadores pretendem se reunir com empresários e o prefeito pra engrossar o movimento contra a transferência da central. Para Lamim, a mudança do Copom pra Maravilha do Atlântico vai prejudicar o trabalho da PM peixeira. O vereador garante que a unificação das centrais pode atrasar a ação dos milicos, já que os meganhas de Balneário Camboriú não conhecem bem Itajaí.

“Sei de experiências parecidas em outras cidades e o atendimento virou uma espécie de telemarketing, com os policiais esperando pra receber a localização da ocorrência”, comparou. O comando da polícia militar, por sua vez, garante que, com a mudança, o tempo de espera para atendimento de uma ocorrência vai cair de 15 para quatro minutos.

Na audiência foi apresentado o projeto para a nova estrutura do IML. O diretor do instituto Geral de Perícia, Maurício Ortiga, presente no encontro, garantiu que o IML peixeiro não será desativado, mas confirmou que a atual estrutura não é a ideal. Os vereadores entregaram um projeto de oito mil metros quadrados para o novo IML em um terreno a ser doado pela prefeitura.

  •  

Deixe uma Resposta