• 07 nov 2009
  • Postado por Tiago

Muitas pessoas afirmam que não têm enxaqueca, apenas aquela dor “normal”. Fomos conversar sobre isso com o médico neurologista, eletroneuromiografista e membro titular da Sociedade Brasileira para Estudos da Dor, aqui da região, Marcelo Valbão, que nos falou: “A dor, tanto a leve como a muito intensa, sempre representa algo de errado ocorrendo em nosso corpo, ela é um sinal de aviso. O fato de a dor ser comum (muito frequente, surgir muitas vezes, muitas pessoas terem), de modo algum significa que ela seja normal (não indicar doença). Ela pode, sim, significar um problema que não seja grave, fácil de resolver, mas nunca a ausência de um problema. Portanto, não existe dor normal. Dentro destas famosas dores “normais” (leia-se frequentes), estão certamente as dores de cabeça e que muitas vezes são deixadas em segundo plano. Entre as cefaleias, que frequentemente levam a situação de incapacidade, está a enxaqueca, que graças ao desenvolvimento da ciência moderna, hoje se pode com razoável grau de certeza dar o seu diagnóstico apenas a partir da história médica”.

Características que se repetem em crises e sugerem o diagnóstico de enxaqueca:

– Duração das crises entre quatro e 72 horas (sem uso de medicação),

– Dor em apenas um lado da cabeça, normalmente variando de lado em cada crise,

– Dor tipo latejante, pulsante,

– Dor de intensidade (força da dor) moderada a severa,

– Piora da dor com esforço físico, mesmo que leve (precisa ficar deitado esperando a dor parar);

– Piora com luz e barulho (precisa ficar em local silencioso e escuro até a dor parar);

– acompanhada de náuseas e mesmo vômitos.

Possíveis causas:

– Mudanças no horário de sono para mais ou para menos;

– Aumento do tempo habitual sem se alimentar;

– Alimentos – chocolate, queijos, vinhos, corantes e condimentados, embutidos, oleosos, glutamato monossódico (Aji-no-moto® ou outros temperos prontos), e produtos de limpeza com odor forte.

Ainda segundo o Dr. Marcelo, outros tipos comuns de fenômenos que podem acompanhar a enxaqueca, que normalmente assustam as pessoas, pois elas podem achar que estão tendo um derrame ou um ataque epilético, são:

1 – Visual: visão de luzes brilhantes ou pontos pretos em metade da visão de ambos os olhos;

2 – Sensitiva: formigamentos atingindo metade do corpo;

3 – Motoras: paralisias atingindo metade do corpo;

4 – Basilar: sintomas imitando a “labirintite”, tontura rotatória, zumbidos no ouvido, desequilíbrio, ameaços de desmaios e/ou desmaios com perda completa da consciência.

Se você tem dor de cabeça semelhante a esta descrita, ou mesmo outra dor de cabeça diferente, não hesite em procurar um neurologista, pois há grande probabilidade de que algo poderá ser feito para aliviar seu sofrimento.

  •  

Deixe uma Resposta