• Postado por Tiago

O diretor do presídio peixeiro, Maurílio Antonio da Silva, vai bater na porta do chefão do Departamento de Administração Prisional (Deap), Hudson Queiroz, pra tentar achar uma solução que ajude a desafogar o cadeião, que tá com 673 presos. Como não houve nenhuma manifestação das autoridades da segurança da Santa & Bela sobre o pedido do juiz corregedor do presídio, Carlos Roberto da Silva, para reduzir a ocupação do cadeião, Maurílio resolveu marcar uma audiência com o diretor do Deap.

Com o aumento do número de presos, a situação do cadeião é cada vez mais crítica. “O risco de uma nova rebelião é claro e as autoridades estaduais precisam tomar uma providência”, disse. “Já avisamos que a situação tá complicada e até agora nenhuma providência foi tomada”, lamentou.

Maurílio entende que é preciso encontrar uma solução imediata pra reduzir o número de presos. “O presídio tá completamente lotado”, acrescentou.

Já avisou

Na correspondência encaminhada ao secretário de Segurança, Ronaldo Benedet, e ao da Justiça e Cidadania, Justino de Almeida Pedroso, há uma semana, o corregedor pede que sejam tomadas providências em relação ao cadeião. No documento, o juiz destacava a importância de transferir os presos para evitar uma nova rebelião. A última que houve no presídio rolou em fevereiro, quando 668 presos detonaram grades e paredes de 11 celas e o cadeião precisou ser interditado.

O juiz afirmou que, apesar das reformas que foram feitas na estrutura do presídio depois da rebelião de fevereiro, o problema não está solucionado e são necessárias outras medidas de emergência. “Há necessidade de transferência de presos para outros estabelecimentos prisionais, até porque as obras da nova penitenciária do Vale do Itajaí encontram-se estagnadas, o que demonstra que a situação precária persistirá por tempo indeterminado”, destacou.

  •  

Deixe uma Resposta