• Postado por Tiago

Carência de estrutura, funcionários e salário abaixo do estabelecido por lei. Por estes motivos, João Paulo Gaya pediu exoneração do cargo de secretário de agricultura de Navega, alegando que a secretaria é deixada de lado pela administração municipal. Gaya acumulou a função de secretário e superintendente da Fundação do Meio Ambiente (Fuman) e mesmo assim ganhava abaixo do salário de secretário. Mas o dindim não foi o único entrave e nem o mais grave. O ex-secretário não tinha verba suficiente para garantir assistência aos pescadores e agricultores do município e muito menos para tocar as fiscalizações ambientais da Fuman.

Em nota de esclarecimento, Gaya cita várias pendengas que teve que enfrentar até pedir a exoneração na quarta-feira. Engenheiro agrônomo, ele sabe das dificuldades que pescadores e agricultores passam na cidade. O estaleiro que a prefeitura oferece para os pescadores artesanais não tem carpinteiro e nem responsável pelas puxadas. O serviço de tratores e retroescavadeira para os pequenos agricultores foi cortado. O Fusca capenga da Fuman só pode usar 15 litros por semana para fazer as fiscalizações. Para Gaya, os funcionários tão fazendo milagre com a mixaria que o governo repassa à secretaria. “O triste é saber que além da pouca importância dispensada pela administração à secretaria como um todo, existem secretários recebendo corretamente os seus vencimentos”, cita o ex-secretário que foi responsável pela secretaria e Fuman durante cinco meses e recebia 35% abaixo do salário estabelecido pela câmara dos vereadores. “Em síntese, é uma secretaria sem prestígio perante a administração pública, e que está literalmente jogada às traças”, finaliza o ex-secretário.

É a crise

“As dificuldades dele são as mesmas dificuldades que estou sentindo como prefeito. Eu acho o seguinte, ele como secretário pode fugir dos problemas, mas eu não posso”, rebate Bob Carlos (PSDB). O prefeito conta que só a secretaria de educação e saúde estão trabalhando sem cortes no orçamento.

Quanto ao pagamento dos salários dos secretários, Bob Carlos afirma que todos estão ganhando abaixo do estabelecido por lei. O próprio prefeito recebe R$ 6 mil e 600, R$ 11 mil e 400 a menos do que deveria. Bob Carlos afirma que este é o momento de cortar gastos e que não vê outra solução para driblar a crise. Por enquanto, ninguém irá ocupar o cargo de Gaya e quem vai responder pela secretaria é o diretor administrativo João Paulo Serpa.

  •  

Deixe uma Resposta