• Postado por Tiago

Esse rapaz foi agredido durante o carnaval peixeiro

As denúncias de agressão policial em Itajaí e região já viraram rotina. Volta e meia tem um cidadão que procura o DIARINHO para reclamar da pancadaria da polícia militar. Somente este ano, o DIARINHO recebeu sete denúncias de agressões. As histórias de abuso, que incluem desde xingamentos até socos e pontapés, tem a média de um cidadão desrespeitado por mês. Três destes casos rolaram em Itajaí, dois em Navegantes, um na Penha e o outro em Camboriú.

A última denúncia noticiada foi também a mais grave. A família decidiu colocar a boca no trombone nesta semana, mas o caso rolou no dia 31 de maio. O pescador Gilberto Isensee, 44 anos, teria sido abordado por dois policiais na rua Odílio Garcia, bairro Cordeiros, em Itajaí. Testemunhas contaram que os PMs não deram nem tempo da vítima sisplicar. Os homi chegaram dando uma rasteira em Gilberto, que caiu e bateu com a cabeça. Ele ficou desacordado e no hospital recebeu a notícia de que, segundo os médicos, não voltará mais a andar.

Também em maio, o vigilante Mário Pereira da Conceição, 60, teve o rosto todo estuporado por um soco que recebeu de um policial militar de Navegantes. O sinhôzinho tinha ido encontrar os amigos num bar do bairro São Paulo, quando a polícia chegou pra fechar a birosca, que funcionava sem alvará. Depois que levou o socão, seu Mário ainda caiu no chão e se machucou todo.

O técnico em informática G.G.P.J., 25, também convive com a lembrança e as marcas das porradas que levou de dois PMs. Ele mora no Bambuzal, em Itajaí, e na madrugada do dia 15 de maio, bem pertinho de sua baia, levou um cambau dos milicos, que faziam rondas pelo bairro. O rapaz diz que até hoje não sabe o motivo da agressão.

O caso da comerciante Tatiane Sedrez, 28, é um pouco diferente, mas também revoltante. Ela contou as cenas de tortura e abuso policial que teria presenciado seu irmão sofrer, no final do mês de abril. Tapas, socos e até tiros de borracha rolaram na rua Manoel da Luz, no bairro Nossa Senhora das Graças, em Navega.

O irmão de Tatiane foi preso por tráfico, mesmo assim ela não concorda com a violência dos PMs. Conta que até na delegacia os meganhas não deixaram ele em paz. ?Os PMs jogaram pinho sol na cabeça do meu irmão e ficaram brincando dizendo que ele estava muito sujo?, relembra.

Mais horror

Também em abril R.R., 49, passou por momentos de horror nas mãos dos PMs da Penha. Ela conta que os PMs chegaram na casa de seu ex-marido pra separar uma briga entre ela e a atual mulher do cara. Depois de ser detida, R. passou a ouvir xingamentos de um PM na delegacia. Disse que quando tentou se levantar, um dos PMs a pegou pela garganta e a jogou contra a parede. Além disso, foi chicoteada nas costas pela alça da própria bolsa e teve mais de 100 reais roubados da sua carteira. Pra completar a sessão de tortura, o policial pegou dois parafusos da parede e pressionou no pulso da coitada.

Os PMs não perdoariam nem os dimenores. No dia 21 de março, o adolescente A.G., 14 anos, foi torturado por policiais do Grupo de Resposta Tática (GRT), de Camboriú. Afogamento, espancamento e até violência sexual, o menino sofreu neste dia. Os PMs chegaram a enfiar um pinto de borracha no pobre coitado. Tudo porque o patrão dele era metido com o crime e a PM desconfiou que o garoto também poderia estar metido com desmanche de motocas.

Pra completar o registro das agressões, os vizinhos Amaro José Simas Júnior, 18, e Ana Cristina Imaia, 29, foram levados durante uma briga no carnaval da Beira-rio, na city peixeira. No dia 21 de fevereiro, nos fundos do balança-teta Dallas, nos Cordeiros, Amaro e Ana levaram porrada até o dia amanhecer. Os dois tiveram que assinar um documento assumindo a briga, pra só depois serem levados pra depê, onde foram liberados.

Em todos os casos, as vítimas registraram boletim de ocorrência. O documento, junto com provas e depoimentos, segundo o delegado peixeiro José Celso Corrêa, é encaminhado à promotoria de justiça militar, em Florianópolis. O DIARINHO tentou contato com o promotor militar Sidnei Dalabrida, mas ele passou a tarde em audiência e não pode conversar com a reportagem. Por enquanto, nenhum dos policiais que cometeu essas agressões foi punido.

  •  

Deixe uma Resposta