• Postado por Tiago

p---prisao-santidade---mario-bazan.jpg-(68)

Bazan foi imobilizado pela puliça na areia e ficou parecendo um bife a milanesa

O sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes de Itajaí (Sindihotéis) lascou pau na prisão de Mario Bazan, dono do Santidade Bar, guentado na sexta-feira passada. O bafão rolou quando a Famai pediu pro empresário retirar freezers da areia da praia. Ele não acatou a ordem e ainda tentou encarar a PM, que dava reforço à operação.

O presidente do Sindihotéis, Aldo Sandri, diz que o sindicato repudia a atitude da PM e da Famai no episódio. ?Usaram de arbitrariedade e brutalidade com um empresário que nada mais estava fazendo do que querer que os turistas fossem bem atendidos?, opina Sandri. ?Se ele estava agindo de alguma forma irregular, há vários meios de punir, tais como uma advertência, multa, cassação de alvará, etc..?, destaca.

Pro presidente do Sindihotéis, a força policial não pode ser usada contra um empresário que paga seus impostos e que traz o desenvolvimento à cidade. ?Os policiais deveriam ter como finalidade principal proteger o empresário, a população e principalmente os turistas dos bandidos que atuam na nossa região. Nem mesmo os grandes escândalos que assolam o país, principalmente das pessoas que trabalham nas instituições públicas, foram alvo de alguma ação policial como essa?, lascou Aldo Sandri.

Corporativismo

Ao saber da nota de repúdio do Sindihotéis, o superintendente da Famai, Nilton Dauer, diz que lamenta que o sindicato tomou as dores de um empresário que desrespeita a lei e os fiscais da autarquia. ?Nós lamentamos que o sindicato, sem ouvir as partes, sem ver o que houve, sem conhecer a norma e a legislação, em nome do corporativismo, tenha emitido uma nota de repúdio?, lascou Nilton.

Nilton disse que não houve excesso porque o empresário, além de descumprir um acordo sobre o uso da areia da praia que ele mesmo assinou, não reconheceu o poder de polícia dos fiscais da Famai e impediu que eles apreendessem os freezers. ?O sindicato não sabe que existe uma lei federal que considera crime ambiental dificultar o livre acesso das pessoas à praia?, ironizou Nilton.

O superintendente vai mais além e diz que a Famai e a PM não descumpriram a lei, mas o empresário sim. ?Ele colocou um deck e dois freezers na areia. Ele transformou a areia da praia numa filial do seu restaurante?, tascou. Nilton diz que Bazan é o único empresário da Brava que não respeita o acordo feito sobre o uso da areia. ?A Famai agradece a PM que nos auxiliou neste caso, porque ele mandou 10 funcionários sentarem em cima dos freezers para os fiscais não tirá-los dali?, finaliza.

Relembre o bafão

A prisão de Bazan rolou sexta-feira passada, às 11h. A Famai foi dar uma olhada no bar e descobriu irregularidades. O pessoal colocou freezers na faixa de areia pra atender a clientela na praia. Ao ser informado que as geladeironas seriam apreendidas pelos fiscais da Famai, Bazan virou macho. Os verdinhos chamaram a PM pra dar uma força e daí o barraco tava feito.

Bazan não baixou a bola e decidiu encarar os meganhas. Levou uma chave de pescoço, foi agarrado por vários fardados, tentou resistir à prisão, caiu na areia e levou um pezão no pescoço, até que foi imobilizado pelos meganhas e recebeu as pulseiras de aço. Foi obrigado a entrar no camburão da PM e disse ao DIARINHO que apanhou dos milicos até chegar na delegacia.

  •  

Uma Resposta to “Sindihotéis diz que houve brutalidade na prisão de empresário da Brava”

  1. natureza Diz:

    Ta Certa a FAMAI, que trabalha pra populacao, ou ele pensa que e dono da praia e da areia, pra mim isso e querer se aproveitar do pouco poder que o bar lhe da. Isso deixa bem claro que o proprietario literalmente e dono de bar, pois se pensasse como empresario nao tomaria essa atitude.

Deixe uma Resposta