• Postado por Tiago

CONTRA-ABRE-DETALHE---s---suplemento-alimentar-no-esporte---foto-seth-cohen-(2)

Novos produtos surgem a rodo pra ajudar atletas em competições esportivas ou até na academia, mas o perigo existe e eles podem até levar à morte

Este ano vai ficar marcado como o do doping no esporte brasileiro. Foram casos no ciclismo, natação e atletismo, sendo que neste último esporte uma carrada de atletas foi suspensa em 2009. Com vários escândalos bombando na mídia nacional e também com as constantes competições rolando na região, o DIARINHO resolveu ouvir especialistas e atletas sobre os riscos da alimentação ou nutrição esportiva.

Principal ponto de discussão, o anabolizante ? a famosa bomba ?, usado por saradões nas academias pra aumentarem os músculos, não é o único perigo. Usado principalmente por triatletas, a nova moda são os repositores energéticos, em formato de gel, que os esportistas chupam direto do saquinho, mas que precisam ser usados direito. ?Consumir energéticos durante os treinos contribui pro crescimento muscular. A falta de energia no organismo causa cansaço físico e falta de fôlego?, diz Sabrina Pamplona, bioquímica especializada em nutrição e dona de uma farmácia.

Quando tava no auge do tênis mundial, Gustavo Kuerten, o Guga, comia banana nos intervalos dos jogos. Rica em potássio, a fruta é importante pra combater as cãimbras, assim como estes repositores e barras de cereais. Os novos produtos ajudam no desempenho, mas Sabrina alerta. ?Que adianta tomar um suplemento muscular antes do exercício? Tomar em horário errado não faz resultado?, garante a bioquímica.

Pracabá com a vida

O maior exemplo que produtos ilegais não ajudam é a ex-nadadora Rebeca Gusmão, que se entupiu de testosterona, o hormônio masculino, ficou com jeito de sapatão e acabou banida do esporte. Mas isso não é o pior. ?No excesso de qualquer tipo de suplementação sempre vai haver o malefício. Tem perigo até de morte, é uma bomba-relógio?, fala Fred Monteiro, atleta da equipe Trial de triatlo, de Balneário Camboriú.

Experiente, o triatleta recomenda. ?Tem que tomar aquilo que precisa repor, sempre levando pra linha correta, sem anabolizante e hormônio?, diz Fred. Arritmia, dor de cabeça e tremedeira podem rolar em quem usa produtos ilegais. Em casos mais graves, o burrão pode até morrer.

Assim que se faz

Pros machões da academia, o perigo tá mais relacionado às bombas, que podem comprometer a atividade sexual e deixar o sujeito de cabeça baixa. ?A minha opinião (de tomar bomba) é contra. O treinamento e a parte psicológica são mais importantes. O uso pode aumentar até uma célula cancerígena. Aparece muito na tevê que já teve óbito?, alerta Gean Simas, educador físico especialista em fisiologia do exercício e treinamento, também dono do atual recorde catarinense do Ironman, que rola todo ano em Floripa.

  •  

Deixe uma Resposta