• Postado por Tiago

INTERNA-_abre-direita_trabalhadores-alesc-mínimo-regional-1-_foto-Eduardo-Oliveira-Alesc

Peãozada foi pra Leleia pressionar deputados a aprovarem o salário mínimo regional

Desde sexta-feira passou a valer em Santa Catarina o salário mínimo regional. A partir de agora, nenhum trabalhador pode receber menos que as quatro faixas salariais, que são de R$ 587, R$ 616, R$ 647 e R$ 679, dependendo do ramo de atividade econômica [veja tabela abaixo]. A exceção vale apenas para as categorias que já haviam assinado acordo coletivo de trabalho antes de meados de setembro do ano passado, quando a lei foi aprovada pelos deputados estaduais e sancionada pelo governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB).

Osvaldo Mafra, presidente da Força Sindical em Santa Catarina e do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Alimentação de Itajaí e Região, calcula que de 700 a 800 mil pessoas terão mais dinheiro no bolso com o mínimo regional. É que as novas faixas salariais não beneficiarão apenas quem ganha o salário mínimo, mas também a peãozada de categorias que firmavam acordos coletivos com valores próximos àquele patamar.

Para Mafra, além dos empregados, os patrões também sairão ganhando. ?Algo em torno de R$ 2 bilhões vai entrar no bolso de quem consome e isso vai aumentar o movimento do comércio e, por consequência, a produção da indústria. A roda da economia vai girar?,estima o sindicalista.

Santa Catarina era o único estado do Sul do Brasil que não tinha um salário mínimo próprio. Além do Paraná e do Rio Grande do Sul, o Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia, Ceará, Tocantins e São Paulo também já praticam pisos estaduais maiores que o salário mínimo nacional.

Aposentados e pensionistas da previdência Social que ganham o equivalente a um salário mínimo passarão a receber o mesmo valor do piso nacional, que agora em janeiro passa pra R$ 510.

Como ficam os novos pisos salariais na Santa & Bela

R$ 587,00

Trabalhadores da agricultura e pecuária; indústrias extrativas e beneficiamento; empresas de pesca e aquicultura; empregados domésticos; turismo e hospitalidade; indústrias da construção civil; indústrias de instrumentos musicais e brinquedos; estabelecimentos hípicos; e empregados motociclistas, motoboys, no transporte de documentos e pequenos volumes

R$ 616,00

Trabalhadores da indústrias do vestuário e calçado; indústrias de fiação e tecelagem; indústrias de artefatos de couro; indústrias do papel, papelão e cortiça; empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas; empregados da administração das empresas proprietárias de jornais e revistas; empregados em estabelecimentos de serviços de saúde; e empregados em empresas de comunicações e telemarketing

R$ 647,00

Trabalhadores da indústrias do mobiliário; indústrias químicas e farmacêuticas; indústrias cinematográficas; indústrias da alimentação; empregados no comércio em geral; e empregados de agentes autônomos do comércio

R$ 679,00

Trabalhadores da indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico; indústrias gráficas; indústrias de vidros, cristais, espelhos, cerâmica de louça e porcelana; indústrias de artefatos de borracha; empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito; edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares; indústrias de joalheria e lapidação de pedras preciosas; e auxiliares em administração escolar (empregados de estabelecimentos de ensino); empregados em estabelecimento de cultura; empregados em processamento de dados; e empregados do transporte geral

  •  

Deixe uma Resposta