• Postado por Tiago

A madrugada de domingo foi de terror pra duas moradoras do bairro Perequê, em Porto Belo. Elas voltavam de um bailão quando foram surpreendidas por um tarado. O traste deu uma paulada na cabeça da mãe e estuprou a filha durante quatro horas. Antes de ir embora, o nojento ainda deixou telefone de contato com a guria, pro caso de ela sentir sua falta. Phode?

No sábado à noite, a moça, de 21 anos, saiu com a mãe, 48, rumo ao rala-coxa do salão do Paulista, que fica no Perequê. Elas deixaram o irmão da guria, um rapazinho de 18 anos, que tem problemas mentais, sozinho.

Por volta das 4h da matina, mãe e filha decidiram voltar pra casa diapé. Elas tinham caminhado alguns metros quando um malacabado surgiu no meio da rua, e lascou uma paulada na cabeça da mãe, que caiu de cara desmaiada. A filha, apavorada, tentou gritar por socorro, mas o traste a arrastou pra um terreno baldio.

Ele violentou a coitada de tudo quanto foi jeito, até que a véia acordou. Assim que viu a mãe, a guria abriu um berreiro. O vagabundo ameaçou bater na muié novamente se ela não calasse a boca, e mandou que as duas o levassem até sua casa.

Encagaçadas, as mulheres obedeceram. Ele fez a moça entrar em seu quarto e trancou a porta. Com medo de que o nojento pudesse fazer mal ao seu outro filho, deficiente, a mãe aceitou ficar de bico calado e não chamou a polícia. Só quando o relógio já marcava 8h, o traste resolveu ir embora. Ele ainda deixou um número de telefone com a moça antes de sair.

Assim que se viram livres do bandido, as mulheres telefonaram pros bombeiros, que levaram a filha e a mãe, que tava com a cara arrebentada por causa da paulada, até o hospital Santa Inês, em Balneário Camboriú. Elas repassaram as características e telefone do tarado à polícia, que tá à cata do sem-vergonha. Enquanto tava no hospital, a mulher chegou a ligar pro safado que atendeu. Os homisdalei não tiveram a mesma sorte e continua a cata do tarado.

  •  

Deixe uma Resposta