• Postado por Tiago

Muito morador de Balneário Camboriú tomou o maior susto ontem ao abrir a conta de luz. A taxa cobrada pelo município pra iluminação pública veio mais cara e chegou até o dobro do preço pra algumas pessoas. A galera responsável pela famosa contribuição para Custeio dos Serviços de Iluminação Pública (Cosip) informa que rolou um problema no sistema que deve ser ajustado no mês que vem.

As reclamações começaram a pipocar ontem, quando moradores do bairro das Nações receberam em casa a conta de luz. A tarifa, que varia no Balneário mais badalado do sul do mundo entre R$ 4 e R$ 8, chegou a vir o dobro do preço pra algumas pessoas.

Uma das contempladas foi a moradora do bairro das Nações, R. A, que costumava tirar 4,84 contos do bolso pra pagar a taxa. Na conta do mês de dezembro, a Cosip chegou pra ela custando R$ 10,83. “Como é que eles aumentam o preço e não informam pra ninguém?”, questionou, indignada.

Antes que o povão comece a arrancar os cabelos da cabeça, o gestor da Cosip, Jorge Otávio Cachel, informa que a tarifa não subiu. Explica que a cobrança deverá ser a mesma, mas neste mês algumas das faturas vieram mais caras por um erro no novo sistema que foi instalado.

Apesar da lambança, Cachel recomenda que a conta de luz seja paga do mesmo jeito, pra evitar multas, mas jura de pés juntos que a galera da Cosip arrumará a besteira mês que vem. “O valor adicional vai vir debitado na próxima fatura, que já virá corrigida”, garante. A previsão é que em janeiro as contas voltem ao valor normal e ainda seja descontado o precinho adicional.

Mas pra conseguir o desconto, o sujeito tem que simexer e dar um alô digrátis pro 0800 644 7080, das 8h às 18h30, sem intervalo pro almoço. O cadastro será informado à Celesc, que fará as correções na fatura. Cachel não soube precisar quantas pessoas receberam a taxa errada em casa.

O problema

O rolo todo aconteceu por que a galera da Cosip botou pra funcionar neste mês um novo sistema de cadastro dos contribuintes da Maravilha do Atlântico Sul. O tal programa de computador lista o número de usuários, quantos são pagantes, o número de postes, a potência das lâmpadas, entre outras modernidades. “Simplesmente não me entregaram um sistema corretamente e tudo que é novo é sujeito a erros”, lascou Cachel.

O cara afirma que esta nova forma de registro foi comprada pela antiga administração municipal e não funcionava desde então. Precisou ser readequada até ser posta pra funcionar agora.

O chefão afirma que foi necessário fazer a readequação do sistema, pois a cobrança estava defasada em quase dois anos. Até o mês passado, eram utilizadas as informações coletadas no início do ano de 2008 para fazer a cobrança das taxas da Cosip e isso trouxe um preju de cerca de R$ 50 mil pro município.

“No caso de uma demolição de casa, no lugar é construído um prédio de 30 apartamentos e a gente não é avisado. São mais 30 moradias que usam a luz, mas não pagam a Cosip”, conta. Pelas contas dele, 13 mil pessoas não pagavam a taxa desde então, mas começaram a receber a tarifa a partir de agora. Eles não precisarão bancar os valores que não foram cobrados antes.

A taxa da Cosip é calculada com base no local onde está instalada a moradia ou o comércio. É levado em consideração se há alguma praça próxima ao local, qual a metragem do imóvel e o bairro em que está instalado. Quanto mais pro centro ou perto de locais públicos, mais cara é a tarifa.

  •  

Deixe uma Resposta