• Postado por Tiago

Começa amanhã, na fundação Badesc, na capital, uma mostra de cinema, na faixa, que vai rolar todas as quintas-feiras de novembro, com os maiores clássicos do neo-realismo italiano. A primeira atração é “Roma, cidade aberta” (1945), de Roberto Rosselini. No dia 12, é a vez de “Ladrões de Bicicleta” (1948), de Vittorio de Sica. No dia 19, rola o filme “A terra treme”, de Luchino Visconti. E no dia 26, “Paisà” (1946), de Roberto Rosselini.

O neo-realismo italiano surgiu no final da 2ª Guerra Mundial, como veículo de resistência à ditadura fascista de Mussolini. Ao contrário da ficção tradicional da época, o neo-realismo representava a realidade social e econômica de forma muito mais crua e, muitas vezes, com atores não-profissionais. O tema recorrente era a classe operária imersa em um ambiente injusto e fatalista. Seus diretores acreditavam no cinema como um instrumento de revolução social, e o resultado é uma narrativa comovente, de uma Itália devastada pela guerra.

  •  

Deixe uma Resposta