• Postado por Tiago

A puliça Civil de Tijucas botou a mão ontem em Djonata Peixoto, 18 anos. No dia 16 de dezembro, o cara meteu um assalto na joalheria Danjú, que fica dentro do hipermercado Koch, no centro da city, e faturou R$ 60 mil. O assaltante foi reconhecido pelas vítimas e ganhou uma vaguinha no xilindró, de onde não deve sair tão cedo.

Djonata entrou na joalheria se fazendo de cliente e pediu pra ver uma corrente. Quando a vendedora virou de costas, ele tirou um berro da cinta, lascou o mãos ao alto e mandou que ela abrisse o mostruário das peças mais caras. O cara embolsou tudo o que conseguiu e deitou o cabelo, trepado numa motoca. O bandido chegou a ser seguido por um segurança do mercado e mandou um balaço na direção do coitado. Por sorte, ele era ruim de mira.

Desde então, os tiras do setor de Investigações Criminais (SIC) de Tijucas tavam fuçando o assalto. Através das imagens das camerazinhas bizolhudas da loja, eles descobriram que o responsável pelo atraque era Djonata, e pediram sua prisão à dona justa.

Ontem, os policiais foram buscá-lo na baia onde ele tava mocosado, na rua José Krucinscki, no bairro Universitário. Dentro da casa foram achadas algumas peças de prata, 40 gramas de marofa e 100 pilas em dindim. Junto com o traste tava um dimenor de Itajaí e outros dois caras, que juraram de pés juntos que tavam fazendo um serviço de pintura na casa. A turminha foi levada pra depê, e depois de um plá com a delegada Luana Backes, o aborrescente e os pintores foram liberados. Djonata assumiu a bronca sozinho.

Entre as mercadorias encontradas na casa do cara tavam três peças que teriam sido surrupiadas num assalto que rolou um dia depois do atraque à Danjú, quando dois trastes renderam um coitado que carregava um mostruário de joias pela rua Marechal Deodoro da Fonseca. A mercadoria tava avaliada em R$ 10 mil. A polícia vai apurar a participação de Djonata também neste assalto.

  •  

Deixe uma Resposta