• Postado por Tiago

“No dia que ocorreu a fiscalização, estava na praia, vi e ouvi tudo. Nos bares do canto do Morcego, a baixaria foi grande, era dono de bar xingando de todas as formas o pessoal da Famai, sobrou até para um tal de Dr. Roger, que não sei quem é, mas pelos xingamentos, coitada dessa mãe.

Por um lado, os donos do bares, que “arrogantes” se acham os donos do espaço público, e por outro a Famai sem estrutura para que se cumpra a lei. A Famai precisava apoio policial, e não recebeu. Mas vir a público dizer que não aconteceu nada!

Segundo li no jornal, dia 18/11, é uma tremenda “pipocada” ou já se venderam também, hein, Famai!

Cadê o Comando Militar, também não existe na cidade? Se aqueles que têm o poder têm medo, imaginem nós pobres mortais, como iremos fazer uma denúncia?

Sou estudante de Biologia, sei que existem regras para a ocupação deste espaço público, e não cabe ao município esta autorização.

Também sei que há anos houve uma ação civil pública – a prefeitura era ré nesta ação, por negligência, por não cuidar do patrimônio público – pelo visto vão facilitar de novo, é?

Estava até surpresa com a atuação da Famai, mas não me dei conta que era apenas “lei pros chinélis”, patricinhas, mauricinhos, a conversa é outra.

E senhor Nilton, cadê aquela frase que você disse na tv que “a lei é o limite”.

É uma vergonha!

Todo verão é a mesma história!”

Ass: M. Costa e Silva – estudante biologia – Univali

(Transcrito Ipsis Litteris)

  •  

Deixe uma Resposta