• Postado por Tiago

Usar camisinha continua sendo o melhor remédio

Terça-feira será marcada por mais um Dia Mundial de Combate à Aids, mas algumas cidades da região não têm nada pra comemorar. Camboriú, Itajaí e Balneário Camboriú estão entre os 10 primeiros municípios do Brasil com 50 mil habitantes que registraram maior número de contaminados pela doença. Os índices são do período de 2007 e foram divulgados quinta-feira pelo ministério da Saúde.

Camboriú ficou em segundo lugar no país no ranking das 100 citys acima de 50 mil habitantes que apresentam maior taxa de incidência de AIDS pra cada 100 mil habitantes. Na Cidade da Pedra foram registrados 91,3 casos em 2007. O município ficou só atrás de Porto Alegre, que teve 111,5 infectados no mesmo ano. Já Itajaí ganhou o quarto lugar com 81,2 pessoas registradas e Balneário Camboriú ficou em nono na maldita lista com 67,9.

No relatório consta que o número de infectados pelo vírus da Aids diminuiu nas grandes citys do Brasil, que têm cerca de 500 mil habitantes, mas aumentou pacas nos pequenos municípios. Os 10 municípios que estão em primeiro lugar na lista são de Santa Catarina ou do Rio Grande do Sul.

A taxa de incidência no Sul, calculada a cada 100 mil habitantes, aumentou de 5,8 contaminados em 1997 pra 14,1 infectados em 2007. A região sudeste foi a que menos apresentou diferença. Por lá foi registrado um aumento de apenas 1,3 sujeitos contaminados pra cada 100 mil pessoas.

Os entendidos no assunto acreditam que os índices por aqui estão altos pois a região recebe pacientes de todo o Brasil e até de países vizinhos como Argentina e Uruguai. A secretária de Saúde de Camboriú, Márcia Regina Oliveira Freitag, conta que o atendimento dado aos infectados da região é referência nacional. ?Isso tem incentivado a busca de informação e gerou uma maior procura de exame do HIV?, explica.

No entanto, a justificativa não diminui a responsa em se prevenir a contaminação do vírus HIV. O coordenador do centro Integrado de Solidariedade e Saúde (CISS), Evandro Fernandes Alves, relembra que, embora existam remédios que ajudem a estabilizar a doença, o povão não pode relaxar e deixar de usar camisinha e também não pode dividir seringas ou objetos cortantes. ?Nada diminui a nossa responsabilidade, por isso incentivamos o diagnóstico precoce pra iniciar o tratamento o quanto antes e evitar problemas futuros?, explica.

As prefas têm distribuído preservativos digrátis e encaminhado os infectados pra tratamento médico especializado. Além disso, buscam informar o povão e crianças das escolas e até os véinhos que participam dos grupos de idosos a sicuidarem.

Preocupados com os índices, o pessoal da secretaria de Saúde do Balneário até fez um levantamento e produziu um papéli com dados da city até 2008. O documento será divulgado no dia 1º de dezembro, quando é comemorado o Dia Mundial de Luta contra a Aids.

Pra gerente municipal do programa DST/AIDS de Itajaí, Rachel Marchetti, o principal motivo pro índice não diminuir apesar dos programas de prevenção é a população itinerante ? não fixa ? que é muito grande. ?Itajaí é uma cidade portuária, muitos trabalhadores que vêm de outros portos, o número de caminhoneiros é enorme e isso ainda estimula a exploração sexual. A proximidade com a BR-101 e Balneário Camboriú ? que é turística ? também aumenta a população flutuante e isso está diretamente relacionado com o crescimento da doença?, disse Rachel.

Pra ela, outro fator que pode contribuir pra colocar Itajaí com uma porrada de infectados nas listas do ministério da Saúde é que os levantamentos peixeiros não escondem nenhum número, por pior que ele possa parecer pra city. ?Não escondemos nenhum índice, nosso levantamento é fiel e só assim podemos saber pra qual público voltar nossas campanhas?, sisplicou. De acordo com a gerente, essa forma de trabalhar faz com que Itajaí não tenha ninguém esperando na lista de exames de Aids e que a distribuição de camisinha seja feita sem nenhuma dificuldade, nenhuma burocracia.

O dia de luta

No dia 1º de dezembro, vão rolar várias ações pra informar o povão como prevenir a transmissão do vírus e acabar com o preconceito. Em Balneário, durante todo o dia o pessoal da Saúde vai distribuir panfletos pelas principais avenidas da city.

Pelas 19h30, rola palestra da psicóloga Clarisse Leal, que falará sobre motivação e qualidade de vida, no Sibara Flat Hotel. E às 14h de terça-feira vai rolar um seminário sobre como evitar a transmissão do HIV de mãe pro filho durante a gravidez.

Em Camboriú, o dia vai mobilizar também a criançada. Vai ser realizada a premiação dos alunos mais criativos das escolas municipais que participam da GincanAIDS e produziram frases com relação à prevenção e ao preconceito. O evento será no ginásio de esportes do centro durante o dia. Por lá vai rolar ainda apresentação de dança e de teatro sobre o tema. Toda a comunidade está convidada a participar.

Em terras peixeiras três equipes vão trabalhar na praça Vidal Ramos, Itajaí Shopping e supermercado Mini Preço do São Viça distribuindo preservativos, gel lubrificante e entregando material informativo. Também vão promover brincadeiras educativas e distribuição de brindes.

  •  

Deixe uma Resposta