• Postado por Tiago

O vereador Fabrício de Oliveira (PSDB) conseguiu aprovar ontem, na câmara de Balneário Camboriú, requerimento pra que o prefeito Edson Periquito (PMDB) explique tintim por tintim onde está sendo investida a dinheirama arrecadada no posto de Informações Turísticas (PIT) da cidade.

O tucano diz que teve a ideia de fazer o pedincho depois que um morador da city perguntou o que era feito com a grana, e ele não soube responder. “Não é que tenha alguma desconfiança. Mas quero saber o quanto é recolhido”, justificou. Fabrício acredita que com as informações será possível saber se o dindim cobrado dos turistas tá tendo uma boa serventia.

Só em janeiro, 988 ônibus passaram pelo PIT, que é parada obrigatória pras excursões. A média foi de 32 busos por dia. Cada um ganha um selo pra poder circular pela city. No selo, que é cobrado, tá definida a rota que o ônibus pode seguir. Se algum buso é flagrado sem o papéli, rola multa.

Cláudio Dalvesco (PSB), vice-prefeito e secretário de Turismo, informa que pra quem vai ficar só um dia na city, são cobrados 160 reales. Já a galera que fica por mais tempo, desembolsa 80 pilas.

No mês passado, diz Dalvesco, foram arrecadados R$ 70 mil. “Mas não é uma arrecadação constante. Tem meses do ano em que não passamos de R$ 300 e outros até em que não recebemos nada”, afirma.

Dalvesco diz que a grana é computada no orçamento da secretaria. “Entra pra pagar despesas com eventos, promoções e projetos como o café da manhã em Balneário Camboriú, que levamos pros países do Mercosul”, comentou.

O vice-prefeito jura de mãozinhas postas que não se sente incomodado com a bizolhada do vereador. “Acho que o legislador tem por obrigação acompanhar o que tá se passando. Não tenho restrição nenhuma. É dever do vereador fazer isso”, disse. Ele prometeu que, assim que receber o requerimento, manda os relatórios pra casa do povo.

  •  

Deixe uma Resposta