• Postado por Tiago

E os dias e os anos e os séculos passaram, mas os campos de Érico Veríssimo continuam lá, verdes e dourados de sol assim no auge do verão, e não importam os dias, os anos e os séculos, lá continuam a fazer-se cercas. São de arame, hoje, coisa mais fácil – o arame vem em longos rolos de metal quase brilhante, pronto para ser esticado – já não é necessário andar-se à roda das sangas, cortando-se as pequenas árvores certas, do tamanho necessário para cercar-se um campo, muitos campos, depois carregar no lombo aqueles paus de galhos desbastados por quase invisíveis caminhos afora, para salvar do gado solto a preciosa plantação de trigo com que tanto sonhou Maneco Terra.

O trigo não deu, nos campos de Érico Veríssimo; aquelas terras ali não gostavam das sementinhas que vinham lá do outro lado do mundo e que davam origem ao pão branco, tão diferente do dourado pão de milho que os antigos moradores que haviam aberto aqueles caminhos quase invisíveis por onde Maneco Terra passava já faziam há alguns milhares de ano naquelas terras. O trigo não deu e Maneco Terra acabou morrendo, um dia, e sendo enterrado naquela terra que não gostava do seu sonho de trigais ondulando ao vento, e seu corpo adubou aqueles campos que depois seriam de Érico Veríssimo. Maneco Terra não ficaria esquecido, no entanto: sua carne na terra e seu sêmen nas gentes fizeram com que ele se perpetuasse, e passaram-se os dias, os anos e os séculos, e naqueles campos ainda nasce gente como ele, tão parecida com ele que só Érico Veríssimo, mesmo, para ter conhecido as gentes de muito mais tarde e ter entendido como tinha sido o seu ancestral, aquele homem que já parecia que tinha ficado perdido no tempo.

Então, lá nos campos que já foram de Maneco Terra, há príncipes que vivem hoje como que dentro de um sonho de um escritor, e no auge do verão trabalham arduamente fazendo cercas que já não são para o trigo, coisa esquecida. Hoje as cercas são para o gado, para a soja, e há um príncipe de camisa de cambraia aberta ao peito que poderia ser conhecido como fazedor de cercas, mas que como agora existem aqueles rolos de arame quase brilhantes que já vêm prontinhos da fábrica, é chamado de Alambrador.

Então, sob o sol inclemente de janeiro, o Alambrador moureja arduamente puxando, esticando e pregando aquele arame cheio de farpas, queimando-se ao sol, ferindo as mãos, molhando de suor a ampla camisa de cambraia aberta ao peito – quando o sol fica ardente em demasia ele arranca tufos de capim verde e enche com ele a copa ardente do seu chapéu. Como há séculos, anos e meses atrás, os campos de Érico Veríssimo continuam a ser trabalhados, e aquele Alambrador Terra/Cambará suspira de satisfação quando vê que há um alívio vindo a caminho dentro de uma jarra fria, onde há leite, ovos e açúcar, gemada diluída e esfriada, feita pela mulher que o ama para lhe recompor o ânimo e as forças que o sol está roubando.

Ele pára, empurra para trás o chapéu quente, seca com a manga de cambraia a testa molhada de suor enquanto se apossa da vasilha gelada e fragrante, e gole a gole, bebe aquela bebida reanimadora que lhe desce por dentro do peito exatamente como o bálsamo de que estava precisando para se reanimar. O coração lhe sinaliza o prazer daquele refrigério entrando num compasso mais acelerado, e então, chapéu para trás, deixando escorregar para o chão a vasilha vazia, ele enlaça aquela mulher que lhe tem tanto amor e a puxa para junto do peito suado, e para ela tudo é fina fragrância naquele seu suado cheiro de trabalho, e como uma coisa de doido, os lábios dos dois se encontram, e um desvario que é completamente inexplicável dança dentro deles, e dentre eles, e ao redor deles como girândolas de nuvens coloridas, e ambos têm a certeza de que momentos assim são completamente inesquecíveis, até para muito depois que a morte os separar.

Não mudaram muito as coisas nos campos de Érico Veríssimo. Apenas Maneco Terra se chama, hoje, o Alambrador.

Blumenau, 10 de janeiro de 2010.

* romancista-histórica, cronista, historiadora, doutoranda em geografia e possui 20 livros de literatura publicados

  •  

Deixe uma Resposta