• Postado por Tiago

INTERNA_7_base_vacinação-poliomielite_agência-brasil-josé-cruz

Zé Gotinha vai continuar vacinando durante a semana

A campanha de vacinação contra a paralisia infantil em Santa Catarina conseguiu imunizar 364.776 crianças até às 17h de sábado. Isso representa 85,27% dos piás com até cinco anos de idade do estado. Mesmo com o bom índice de cobertura, a secretaria estadual de saúde resolveu disponibilizar a vacina antipólio na rede pública de saúde até sexta-feira. É só levar o pimpolho pra ganhar a gotinha salvadora e protegê-lo contra a terrível doença.

No Brasil, o objetivo era vacinar 14,7 milhões de crianças, mas a meta ficou bem abaixo da expectativa. Até as 17h de sábado, o balanço parcial do ministério da saúde indicava que 8.007.284 de pestinhas haviam tomado a vacina, o que representa uma cobertura de 51,68%. A segunda etapa da campanha será no dia 22 de agosto, quando os pais estarão novamente convocados a levarem seus filhos até o posto de vacinação.

O Brasil, assim como toda a América Latina, já recebeu da Organização Mundial de Saúde (OMS) o certificado de que não há circulação do vírus da poliomielite por aqui. Essa vitória só foi possível graças às campanhas realizadas na década de 80. Além das três doses de rotina, a criança deve tomar todos os anos mais duas doses da campanha porque a paralisia é transmitida por três tipos de vírus.

A poliomielite é uma infecção grave. Na maioria das vezes, a criança não morre, mas adquire sérias lesões que afetam o sistema nervoso. A conseqüência mais comum é a paralisia nas pernas. O vírus entra no organismo via oral e a pessoa infectada pode transmitir a doença pelo cocô que, em contato com o ambiente, atinge quem não foi imunizado. Como o vírus é muito leve, ele pode ser levado pelo ar, entrar em contato com o alimento, com os brinquedos ou atingir a criança por via oral ou por água contaminada. Em ambientes com más condições de saneamento, o vírus pode contaminar a água e o solo.

  •  

Deixe uma Resposta