• Postado por Tiago

Parece que ninguém ouviu as preces de J.K., 55 anos. A evangélica chegava do culto quando foi abordada na frente de casa por quatro vagabundos armados na rua David Cota, no bairro Perequê, em Porto Belo. Os trastes amarraram e deixaram a pobre na mira de um trabuco por umas três horas, na noite de quinta-feira. Além de roubar a baia ainda levaram sete computadores e cheques da imobiliária onde ela trabalha.

Pelas 21h30, a mulé foi abordada pelos quatro malacos quando abria o portão da sua casa. Armados e encapuzados, amarraram a coitada numa cadeira. Por três horas, dois vadios permaneceram no local apontando um berro pra ela.

Enquanto isso, outros dois trastes embarcaram no carro da vítima, o Corsa, placa MBA 1238 (Porto Belo), e simandaram até a rua 246, no bairro Meia Praia, em Itapema. Abriram a imobiliária onde J. trabalha e fizeram a limpa. Recolheram sete computadores completos, cartões de crédito e cheques. Um prejuízo avaliado em uns R$ 14 mil.

Logo em seguida, os dois voltaram pra casa da mulé e sijuntaram com os outros dois comparsas que cuidavam dela. Roubaram mais 200 pilas, um celular e fugiram no carro da religiosa. Minutos depois dos vagabundos fugirem, ela se soltou e chamou os milicos que fizeram rondas, mas não encontraram nenhum suspeito.

Quinto da semana

Este é o quinto assalto na região registrado esta semana, em todos eles as vítimas foram amarradas. Desde o fim de semana passado, rolaram vários ataques a casas em Itapema, Porto Belo, Tijucas e Balneário Camboriú. O delegado que assumiu o caso da evangélica, Élcio Ferreira, duvida que as tretas tenham alguma ligação. “O assalto de Porto Belo já tem identificação. É a bandidagem que atacava em Balneário, mas como está tendo reforço no efetivo, os bandidos estão espirrando nas cidades vizinhas”, diz.

  •  

Deixe uma Resposta