• Postado por Tiago

Ter a linha telefônica cruzada até não é coisa rara. Mas descobrir que seu telefone fixo é atendido por outro morador da cidade é estranho demais. Foi isso o que aconteceu com a vendedora Soraia Mota, 36 anos. A mulher mora em Balneário Camboriú e desde sexta-feira sua linha telefônica residencial cai na baiuca de outra moradora da city. Ela já pediu assistência do pessoal da companhia Oi, que até agora não fez nada pra resolver o seu problemaço.

Soraia só descobriu que a operadora tá trocando as bolas depois que notou que seu telefone ficou mudo. De uma hora pra outra, ela parou de receber ligações em casa. Resolveu ligar pro seu próprio número pra verificar qual era o perrengue e teve uma surpresa: uma mulher, que ela não sabe quem é, atendeu aos chamados. Pra não ter dúvidas de que algum malentendido tava acontecendo, Soraia ligou mais de uma vez. “A mulher atende e ainda mete a boca dizendo que lá não mora ninguém com o meu nome”, conta.

Ontem à tarde, o DIARINHO ligou pro número de telefone que Soraia afirma ser o da sua casa. O telefone tocou, tocou e ninguém atendeu.

A leitora trabalha com vendas e reclama que tá tendo um preju danado, pois suas clientes não têm mais como fazer encomendas ou agendar visitas. “Trabalho com semijoias e o pessoal me liga pedindo mercadoria e dá na casa de outra pessoa”, bufa.

Pra piorar, Soraia não vê boa vontade da operadora pra resolver a situação. Conta que já telefonou três vezes pra galera da Oi, mas até agora nada foi feito. “Eles acham que inverteram alguma linha. Dizem que num prazo de 24 horas o técnico vem aqui, mas já passou disso e ninguém veio”, afirma.

O pessoal da assessoria de comunicação da Oi pediu pro DIARINHO encaminhar um e-mail pro chefão do setor, Políbio Braga, que trampa em Porto Alegre, capital gaúcha. O e-mail foi mandado, Políbio confirmou o recimento da mensagem e respondeu o seguinte: “Seu e-mail foi recebido, assim que obtivermos as respostas enviaremos o mais breve possível.”. Até o final da tarde de ontem, a Oi não se manifestou sobre o caso.

  •  

Deixe uma Resposta