• Postado por Tiago

Membros amputados eram enterrados entre os túmulos

O vereador João Miguel Tatá (PSDB) acusa a prefa da Maravilha do Atlântico de ter proibido que membros amputados e vísceras que são encaminhados pelo hospital Santa Inês sejam enterrados no cemitério municipal. A ordem seria pra mandar tudo pro lixão. O coveiro confirma que a orientação foi dada no início do ano, assim que a turminha do prefeito Edson Periquito (PMDB) assumiu o governo. Mas o mandachuva do patrimônio, que é responsável pelo cemitério, garante que é tudo uma baita lorota.

Há anos, sempre que alguém tem um membro amputado, ou quando é preciso retirar as vísceras de um morto, no hospital Santa Inês, o material é colocado em caixinhas e mandado pro cemitério. O coveiro Manoel Pereira Filho, o Maneca, enterrava tudo nos espaços que tem entre os túmulos.

A história de que isso estaria proibido veio à tona durante a sessão da câmara que rolou na noite de quinta-feira. Tatá usou a tribuna pra denunciar a sacanagem, que ele soube pelo próprio Maneca. ?Ele me contou que recebeu a orientação de deixar esse material pra ser levado pela Engepasa?, lascou.

Tatá ficou tão injuriado ao saber da história, que protocolou um requerimento na casa do povo pra pedir explicações. ?Não vejo lógica nenhuma nisso. Quem deu uma ordem dessa não tem noção do que tava falando?, cutuca.

Ele acha que a medida é uma baita falta de respeito. ?É um desrespeito com um ser humano, ter um membro amputado e mandarem jogar no lixo. Além disso, se acharem um braço no lixão, podem pensar que se trata de um assassinato?, afirma. O vereador diz que também ficou preocupado com a saúde pública. ?Não podemos esquecer que tem pessoas que trabalham no lixão. É um risco pra elas?, carcou.

Tatá sugere que, se a prefa achar que não deve mesmo enterrar os membros e vísceras, deve procurar um jeito mais digno de se livrar deles. ?Quem sabe fazer um convênio com o crematório. O que não pode é ir parar no lixo?, afirma.

A tal ordem foi confirmada pelo coveiro do cemitério. Maneca limitou-se a dizer que a proibição veio do diretor de Patrimônio, Darcio Aurélio Caldeira, mas achou melhor fazer boquinha de siri e não comentar o assunto. ?A ordem que eu recebi é pra não fazer mais o enterro das amputações. Mas não posso falar sobre isso porque vou me incomodar?, disse.

Tudo mentira

O diretor de Patrimônio da prefa nega que tenha feito a proibição. ?Não tem nada, nenhuma ordem quanto a isso?, jurou Darcio, de mãozinhas postas. Ele disse que a história teria sido inventada por Maneca, que até concorreu a vereador pelo PR, partido que compôs a chapa do prefeito-ave, porque o coveiro não teria gostado das mudanças que a nova administração fez no cemitério. ?Ele tava cobrando pra fazer as carneiras e não concordamos. Tá uma briga interna, por isso ele tá inventando coisas?, acusa.

Darcio tá deixando o posto de mandachuva nos próximos dias. Quem assume em seu lugar é Zeno Salt. Ontem à tarde ele tava ocupado em uma reunião e não foi encontrado pra falar sobre o assunto.

  •  

Deixe uma Resposta