• Postado por Tiago

Vegetação que ficava na beira do rio Itajaí-açu foi toda detonada

Uma obra na empresa Dow Química, no bairro Cordeiros, em Itajaí, tá dando pano pra manga. A comunidade denuncia que a ampliação da empresa devastou a vegetação que ficava às margens do rio Itajaí-açu. Com a pulga atrás da orelha, os moradores pediram pro vereador Luiz Carlos Pissetti (DEM) dar uma bizolhada no caso.

?Eu recebi uma denúncia da comunidade e depois de passar por lá vi que a situação realmente é estranha. Lá existia vegetação e agora não há mais nada por causa da obra?, explicou Pissetti. Pra tomar pé da situação, o vereador fez um pedido de explicação aos órgãos ambientais municipais e estaduais. O parlamentar quer saber como foram dadas as licenças emitidas pra obra da empresa, que fica na rua José Luiz Marcelino, no loteamento da Murta.

Pissetti garante que o pedincho foi entregue há quase um mês e que o prazo pra entrega das explicações está prestes a vencer. Porém, os chefões da fundação do meio ambiente municipal (Famai) e fundação do meio ambiente estadual (Fatma) afirmam que, até agora, não receberam a solicitação.

Gabriel Santos de Souza, gerente da Fatma, garante que nem tava sabendo do pedincho. Ele explicou que a Dow recebeu a autorização pro corte de eucaliptos e outras árvores, e também tem a licença pra execução da obra. ?A parte da Fatma foi feita e está tudo certo?, garantiu.

Gabriel contou que o terminal de produtos químicos é antigo e está adequando a sua estrutura pra receber as embarcações. A placa da Fatma, colocada em frente à empresa, diz que no local tá sendo feita a ampliação do terminal retroportuário.

O superintendente da Famai, Nilton Dauer, também disse que não recebeu nenhum ofício de Pissetti. Dauer explicou que por lei a fundação municipal não tem como interferir na obra porque a licença foi emitida pela Fatma. A não ser que existam fortes indícios de irregularidade, o que, por enquanto, não seria o caso.

  •  

Deixe uma Resposta