• Postado por Tiago

A sessão da câmara de Vereadores da Penha, que tinha tudo pra ser interessante, acabou com os edis da oposição e os da situação cada um bicudo pro seu lado. O encontro da última quinta-feira, que foi itinerante – ou seja, a câmara foi até os eleitores dos bairros – rolou este mês no Gravatá. Mas os parlamentares acabaram discutindo sobre a construção de uma praça e, no fim, não resolveram nada.

Tudo começou quando o vereador Aquiles Shneider da Costa (PMDB) apresentou um requerimento pra que seja construída uma praça de recreação no bairro. Ele conseguiu uma emenda com o deputado federal Edinho Benz (PMDB), que iria mandar 200 mil reales para a construção do parquinho. “Mas, pra ele conseguir, a prefeitura precisava apresentar o projeto rápido para o governo federal e eu queria saber se ele (o projeto) estava pronto”, soltou Aquiles.

Mas a turminha que defende o prefeito Evandro dos Navegantes (PSDB) não gostou nadica da ideia. Segundo o vereador Claudinei Pressi (PSDB), que ficou mais cabreiro com a história, ele já tinha sugerido a mesma ideia em abril deste ano. “Isto está no plano de governo do prefeito Evandro. O projeto está sendo feito, tanto para o Gravatá como para a praia de São Miguel e eu estou acompanhando com o engenheiro. Mas para este ano não tem orçamento. Começo do ano que vem a praça sai”, sisplicou.

O tucano então articulou com os quatro edis da bancada que rejeitassem o pedincho de Aquiles. Pressi ainda afirmou que o deputado João Pizolatti (PP) já deu carta branca que iria conseguir uma verbinha junto ao governo federal. “Esse recurso não será o suficiente. Mas o prefeito já afirmou que irá bancar com recursos próprios. No Gravatá, ainda temos o problema de uma vala no terreno onde vai ser feita a praça, sendo que pra colocar uma adutora precisamos ter o mesmo valor que a construção da praça inteira”, resmunga. As pracinhas terão parquinhos e campos de futebol.

  •  

Deixe uma Resposta