• Postado por Tiago

Vereadores de Camboriú tão de olho na verba municipal destinada às entidades que prestam trampo pras crianças e aborrescentes da city. Os vereadores Márcio Aquiles (PSC) e Antônio Paulo da Silva Neto, o Piteco (PSC) entraram com requerimento pedindo ao conselho municipal informações sobre as instituições beneficiadas. O pedicho rolou depois que eles visitaram o projeto Latarte e deram com o nariz na porta.

O vereador Márcio explica que ele e o coleguinha de partido receberam denúncias que estaria fechado o grupo socioeducacional e cultural Latarte, que funciona numa casa do bairro Monte Alegre e oferece aulas de música e bateção de lata a dimenores pobrinhos. Os homens da casa do povo passaram três vezes no local na semana passada e só deram com os burros na água. “A gente constatou que estava fechado e não estava atendendo as crianças no horário que deveria atender”, diz Márcio.

Com a treta, resolveram solicitar explicações na câmara. Além do Latarte, agora os vereadores querem também que o conselho dos menores encaminhe informações sobre o plano de trampo de todas as outras 11 entidades do município que recebem verbinha dos cofres públicos. Querem saber quanto de grana chega pras instituições, que atividades são desenvolvidas, quantos guris são atendidos, em quais horários, qual o número de funcionários disponíveis e de gastos.

Apesar da solicitação, os vereadores não acreditam que tenha rolado uma má administração do dindim do povão no caso da Latarte. “O Ivan, o presidente, é uma pessoa séria e sempre está envolvido com o desenvolvimento da comunidade. O que deve ter acontecido é a falta de um professor, mas as crianças não podem parar em função da doença de um funcionário”, disse o vereador. Vale lembrar que em abril foi aprovado na câmara um projeto de lei que autoriza ao município liberar R$ 70 mil pra Latarte por ano, pra que a entidade se mantenha e atenda os pimpolhos.

Pra tirar a prova, na segunda-feira os vereadores deverão voltar a fazer uma visita o local. O Conselho Municipal da Criança tem 15 dias pra passar todas as informações requeridas. Caso o papéli não chegue à câmara, os homens da casa do povo poderão levar a treta ao Ministério Público.

Pra não dizer que não falei das flores

O vereador Márcio conta que ele e Piteco visitaram a Associação Razão de Viver, que também oferece atividades pedagógicas e culturais, e encontraram a entidade funcionando a todo o vapor. “Estivemos na Razão de Viver e estava funcionando tudo direito”, comemora.

O presidente da Latarte, Ivan Leal, conta que a entidade está em obras e passou nos últimos dias por colocação da acústica interna, pra acabar com a barulheira que incomoda a vizinhança. “É material de gesso e plástico e, como tem muita poeira, muito resíduo, suspendemos algumas atividades”, explica.

Afirma que só parte da instituição abriu as portas por alguns dias pra evitar que a criançada ficasse no meio da poeira e da obra. A construção tá sendo bancada pela prefa e feita pela Back construções, de Itajaí, que recebeu R$ 15 mil pra fazer os reparos por lá.

A obra deverá acabar nesse fim de semana, mas Ivan conta que os atendimentos já estão voltando ao normal. “Está funcionando a todo vapor com 91 crianças no contraturno, na inclusão social. Acho que é bobagem deles (vereadores) isso. Eles estão dando um tiro no pé”, lasca.

Ivan ainda relembra que uma professora está de licença porque teve bebê e um funcionário está internado entre a vida e a morte, mas a entidade irá continuar de portas abertas, mesmo com o pessoal reduzido.

  •  

Deixe uma Resposta