• Postado por Tiago

A vigilância sanitária fechou uma fábrica de picolé, no bairro São Paulo, em Navega. A empresa não tinha alvará de funcionamento e não seguia as normas de saúde pro produzir o geladinho que é a alegria da turma que tá na praia tomando aquele sol do verão.

Os barnabés da saúde identificaram pelo menos três problemas graves na Tropical Sorvetes. Além da não ter o alvará, as embalagens dos produtos produzidos pela empresa não tinham as informações nutricionais, a data de validade e nem o sabor do picolé que a pessoa tava comprando.

Pra piorar, a turma da saúde descobriu que o local era uma sujeirada só. “Eles até nos procuraram na secretária de Saúde para saber o preço do alvará, mas depois não voltaram mais”, conta Jeferson Belotto, responsável pelos departamentos de Vigilância Sanitária e Epidemiológica da prefa.

A Tropical Sorvetes não é a primeira empresa flagrada pelos barnabés da saúde esta semana. “Já notificamos cinco empresas da cidade que prometaram se adequar. Demos um prazo até sexta-feira para as empresas estarem legalizadas. Senão vamos recolher todos os picolés”, contou o bagrão.

Ambulantes

O secretário da associação de Moradores do Gravatá, Arno Scharf, reclama da fiscalização não só dos picolezeiros mas de todos os ambulantes. “Quando vai existir fiscalização dos produtos, seu acondicionamento e origem? Vimos alguns ambulantes circulando sujos iguais a porco. Haja coragem consumir produtos destes”, debulha.

De acordo com o bagrão da vigilância, somente as empresas de sorvetes foram notificadas nesta temporada. “Eu e minha equipe andamos alguns dias pela praia e não vimos nenhuma irregularidade. O pessoal que está vendendo outros produtos está seguindo as normas e possui o crachá de identificação da prefeitura”, explica.

Os moradores também podem denunciar os vendedores ambulantes irregulares pra vigilância sanitária. O telefone pra chamar os fiscais é o (47) 3342-9800.

  •  

Deixe uma Resposta