• Postado por Tiago

Povão reclamou pro Zé Brodinho do descaso da prefeitura

Zé Brodinho, o repórter especial do DIARINHO, visitou ontem pela manhã a localidade da Murta, periferia de Itajaí, e acabou comendo poeira junto com os moradores da comunidade. A areia levantada pelos carangos e caminhões que passam por lá entra nas casas, prejudica comércios e causa doenças respiratórias na molecada. Pra variar, quando chove a terra vira lama. Ao todo são cerca de cinco vias em torno da rua Domingos Bráz Sedrez que sofrem com a falta de calçamento.

Thiago Rodrigo da Cunha, 21 anos, tem uma mercearia e tira o pó duas vezes ao dia das prateleiras. Mesmo com o empenho, as mercadorias vivem sempre com uma camada de poeira. Há dois meses conta que conversou com o subprefeito Venício Amorim para que a prefa mande caminhões-pipas pra molhar as estradas. O bagrão teria dito que não poderia ajudar.

A dona de casa Dalva Regina da Silva, 38, e a filha de 12 anos têm rinite alérgica. ?Já deixei por conta (a limpeza da casa), porque a poeira tá demais?, reclama a dona de casa. Luiz Balduíno, 29, tem duas enteadas grávidas dentro de casa e teme que as crianças nasçam com alguma doença respiratória. O netinho dele, de quatro anos, já tem bronquite. Filomena Alves Vasconcelos, 42 anos, mais conhecida como Camila, chegou a faltar três vezes no trabalho este ano quando ainda estava empregada. Ela não conseguiu sair de casa por conta do lamaçal na rua.

Zé Brodinho percebeu que não há nenhuma lombada nas ruas e que caminhões e carangos passam num pau danado pelo local. Os caminhões, dizem os moradores, são de empresas de pescado que têm na localidade.

Sem previsão

Tarcízio Zanelato, secretário de Obras da prefa, afirma que não existe nenhum projeto em vista pra calçar a rua Domingos Bráz Sedrez e suas paralelas. ?São muitas ruas ainda sem calçamento. Nesse momento, nós estamos dando prioridade aos lotes mais antigos?, explica.

O secretário prometeu dar uma olhada na situação da Murta e, caso a situação seja mesmo grave, tentar colocar a rua empoeirada na programação de calçamentos.

  •  

Deixe uma Resposta